20:47 14 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Tanque russo na Ossétia do Sul

    EUA voltam a pedir a Rússia para retirar tropas da Abkházia e Ossétia do Sul

    © Sputnik / Said Gutsiev
    Rússia
    URL curta
    25228

    Os EUA apelaram para que a Rússia retire suas tropas da Abkházia e Ossétia do Sul e as faça regressar às posições existentes antes dos eventos de 2008, afirmou a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert.

    "Os EUA apelam para que a Rússia afaste suas forças até às posições onde se encontravam antes da invasão", assinalou a porta-voz durante um briefing.

    Trata-se do conflito entre a Geórgia e a Ossétia do Sul de 2008.

    Anteriormente, o presidente russo na época, Dmitry Medvedev, que atualmente ocupa o cargo de primeiro-ministro, apontou que os tanques russos pararam a poucas dezenas de quilômetros de Tbilisi. Contudo, a Rússia pretendia somente libertar Tskhinval (capital da Ossétia do Sul). 

    Já o Ministério das Relações Exteriores russo frisou que a operação militar da Rússia na Ossétia do Sul teve por objetivo cessar a agressão da Geórgia.

    Além disso, o ministério russo declarou que a maior lição do conflito entre a Geórgia e Ossétia do Sul é fazer-nos lembrar que não tem sentido recorrer a métodos de força para resolver disputas internacionais. 

    A Abkházia e Ossétia do Sul declararam a independência na década de 90. Em 2008, a Rússia reconheceu o novo estatuto dos territórios. Agora, nas duas regiões se encontram unidades militares russas.

    Além da Rússia, a independência dos territórios foi reconhecida pela Nicarágua, Venezuela, Nauru, Vanuatu e Tuvalu (que posteriormente retirou seu reconhecimento).

    Por sua vez, Tbilisi considera que as regiões estão temporariamente ocupadas.

    Mais:

    EUA solicitam que Rússia 'retire forças' da Abkházia e Ossétia do Sul
    Rússia aponta principais metas de suas bases na Abkházia e na Ossétia do Sul
    Tags:
    tropas, conflito, Heather Nauert, Abkházia, Ossétia do Sul, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik