12:31 14 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Embaixada russa no Reino Unido

    Embaixada Russa: Investigação sobre uso de agente nervoso em Amesbury não é transparente

    © Sputnik / Alexey Filippov
    Rússia
    URL curta
    360

    O procedimento de investigação em torno do uso de agente nervoso de Amesbury, instaurado pelo Reino Unido, carece de transparência e não corresponde à convenção sobre armas químicas, disse a Embaixada Russa instalada no país.

    "Tal procedimento para a 'investigação independente' [do uso] de um agente nervoso, recém-iniciado pelos britânicos, não é transparente e ultrapassa os limites dos mecanismos descritos na OPAQ. Esta iniciativa é mais um passo no sentido de politizar a OPAQ. Mais uma vez, instamos as autoridades do Reino Unido a mostrar sua abertura na investigação, enquanto ainda é possível tentar corrigir os danos que já infligiram à imagem internacional de seu país", disse o porta-voz da Embaixada instalada em Londres.

    O diplomata lembrou que a Rússia sugeriu várias o uso dos mecanismos prescritos no parágrafo 2 do artigo 9 da Convenção para uma investigação conjunta do incidente com Sergei e Yulia Skripal em Salisbury, em março do ano passado. O Reino Unido acusa a Rússia de ter tentado envenenar Skripal, que é um ex-agente secreto russo, com a substância A234 (conhecida como Novichok).

    "Os britânicos recusaram categoricamente qualquer cooperação conosco, não forneceram respostas claras às nossas perguntas legítimas, razoáveis e informativas. Ao invés disso, diretamente minando a lei e o espírito da OPAQ, continuaram a apresentar numerosas acusações injustificadas contra a Rússia, recusando-se a se engajar em um diálogo construtivo ", disse o porta-voz.

    No último dia 4, a polícia britânica reportou um "incidente grave" na cidade de Amesbury. Duas pessoas teriam supostamente sido "expostas a uma substância desconhecida" e hospitalizadas em estado crítico.

    A Scotland Yard confirmou mais tarde que um homem e uma mulher tinham sido envenenados com a mesma substância que vitimou Sergei Skripal e sua filha, Yulia.

    Na noite de 8 de julho, a mulher envenenada em Amesbury morreu no Hospital Distrital de Salisbury. A segunda vítima recuperou a consciência.

    Londres acusou as autoridades russas de envenenar os Skripals, mas Moscou nega categoricamente todas as acusações.

    Tags:
    Hospital Distrital de Salisbury, A234, Novichok, Scotland Yard, Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), Embaixada da Rússia no Reino Unido, Sergei Skripal, Yulia Skripal, Moscou, Londres, Salisbury, Amesbury, Reino Unido, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik