03:03 18 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeiras da Rússia e dos EUA

    Rússia está entre países que podem exigir US$ 3,5 bi em indenização dos EUA sobre tarifas

    © REUTERS / Maxim Shemetov
    Rússia
    URL curta
    2271

    A Turquia, o Japão e a Rússia calcularam quanto as tarifas dos Estados Unidos acrescentariam ao custo das exportações de aço e alumínio para os Estados Unidos e submeteram suas reivindicações à Organização Mundial do Comércio (OMC).

    Os países seguiram movimentos semelhantes da União Europeia (UE), Índia e China.

    A Rússia estimou que perderia US$ 538 milhões por causa das tarifas dos EUA, que o presidente Donald Trump impôs em março. O Japão informou o valor de US$ 440 milhões, enquanto a Turquia acrescentou mais US$ 267 milhões.

    Anteriormente, a China, a UE e a Índia estimaram suas perdas em US$ 612 milhões, US$ 1,6 bilhão e US$ 165 milhões, respectivamente.

    Os países que recorreram à OMC disseram que as tarifas — 25% sobre o aço e 10% sobre o alumínio — não podem ser explicadas pelas preocupações de segurança dos EUA, a questão sobre a qual Washington está baseando suas ações.

    Segundo as regras da OMC, se algum país pretende cortar suas importações, protegendo assim os produtores locais, deve compensar seus parceiros comerciais com um aumento líquido nas importações de outros bens. Washington se recusou a fazê-lo.

    O Japão e a Rússia não forneceram detalhes sobre a retaliação, mas a Turquia disse que pretende atingir 22 produtos americanos, desde nozes, arroz e tabaco até carros e produtos siderúrgicos.

    Mais:

    União Europeia promete acionar os EUA na OMC se sanções ao Irã prejudicarem negócios
    'Ausência' da OMC torna possível acordo comercial entre EUA e União Europeia, diz Merkel
    Vai sair pena para todo lado: Brasil ameaça recorrer à OMC contra veto europeu ao frango
    Tags:
    sanções, economia, comércio, indenização, tarifas, União Europeia, OMC, Turquia, Japão, Rússia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik