00:27 28 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Premiê russo Dmitry Medvedev bebendo café durante uma entrevista ao canal chinês, na sua residência

    Medvedev: Economia estável acalmou mercados russos após novas sanções dos EUA

    © Sputnik / Dmitry Astakhov
    Rússia
    URL curta
    3101

    O mercado russo de ações e moedas reagiu de forma "emocional" às novas sanções dos EUA, mas acalmou-se logo em seguida, já que a economia russa está estável, disse o primeiro-ministro russo, Dmitry Medvedev.

    No dia 6 de abril, Washington revelou novas sanções contra os supostos esforços globais de desestabilização realizados por Moscou. 

    A lista de sanções divulgadas incluía autoridades governo tais como legisladores, da mesma forma que grandes empresários e empresas privadas ou estatais que estivessem sob seu controle.

    Em particular, a lista incluía Oleg Deripaska com o Grupo En+, o Grupo GAZ, Basic Element e Rusal; Viktor Vekselberg com o Grupo Renova; Suleiman Kerimov, Kirill Shamalov; o chefe da Gazprom, Alexey Miller; e o presidente do VTB Bank, Andrey Kostin. Esse novo pacote de sanções teve efeito negativo nos mercados da Rússia. O valor do rublo foi um dos que mais sofreu enfraquecimento, caindo significativamente.

    "Veja, a reação emocional não significa que existam problemas fundamentais. A economia é geralmente uma história emocional. A economia depende muito mais das pessoas […]. É claro que tais ações afetaram nossos mercados de ações e de câmbio. Mas agora tudo se acalmou, porque não houve razões fundamentais, como dissemos anteriormente […] porque alcançamos um alto nível de estabilidade econômica", disse Medvedev à emissora Rossiya.

    O primeiro-ministro chamou as sanções dos EUA contra as empresas russas de "vergonha" e  "grosseria", afirmando que são um exemplo de "concorrência desleal".

    "Muitas dessas empresas sancionadas são muito grandes e algumas delas mantêm globalmente o primeiro lugar em algumas posições e no alumínio, em particular", disse Medvedev.

    A Rússia continuará desenvolvendo sua economia, assumindo que essas sanções estarão em vigor por um longo período de tempo, de acordo com o primeiro-ministro.

    "E essa história com substituição de importações, desenvolvimento da própria economia, melhoria das próprias instituições sociais é a única reação. E não há outra alternativa. É por isso que também prosseguiremos no futuro a partir do pressuposto de que as sanções continuarão por um período bastante longo, especialmente quando falamos sobre o último projeto de sanção", disse Medvedev.

    Várias sanções econômicas e diplomáticas contra Moscou foram introduzidas pelo Ocidente em 2014, após um conflito o na Ucrânia que terminou com um referendo na Crimeia, que votou pela a reunificação com a Rússia.

    Moscou afrimou repetidas vezes que não é parte do conflito ucraniano e insistiu em que o referendo na Crimeia tenha sido realizado de acordo com o direito internacional. Como medida de resposta, a Rússia introduziu um embargo de alimentos contraos países que a impuseram sanções.

    Mais:

    'Rússia foi arrasada': ela destruiu o mais valioso que o Ocidente tinha
    Rússia nega ter sido informada sobre saída da Índia do projeto comum do caça de 5ª geração
    Síria será tema de reunião entre Rússia, Turquia e Irã
    Rússia reduziu arsenal nuclear em mais de 85% após Tratado de Não-Proliferação
    Tags:
    sanções econômicas, VTB, GAZ, RUSAL, Basic Element, Gazprom, Andrey Kostin, Viktor Vekselberg, Suleiman Kerimov, Kirill Shamalov, Alexey Miller, Dmitry Medvedev, Crimeia, EUA, Estados Unidos, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik