04:57 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Unidade de separação de gás na estação de gasoduto

    Embaixador: Gazprom russa pode firmar em breve acordo de exploração de gás na Argentina

    © Sputnik / Vitaliy Ankov
    Rússia
    URL curta
    241

    A gigante energética russa Gazprom e a empresa argentina YPF poderão em breve firmar um acordo sobre prospecção e exploração de gás na jazida Estación Fernández Oro, afirmou o embaixador da Argentina na Rússia, Ricardo Ernesto Lagorio.

    Segundo o embaixador, a questão está sendo discutida a nível técnico entre a Gazprom e a YPF e em breve haverá mais detalhes quanto ao futuro acordo.

    "Pelo que entendo, as partes estão terminando as negociações para assinar o acordo nas próximas semanas ou meses", disse Lagorio em entrevista à Sputnik.

    Em 2015, a Gazprom e a YPF (Yacimientos Petrolíferos Fiscales) assinaram um acordo-quadro sobre prospecção e exploração conjunta de hidrocarbonetos na Argentina.

    Em abril de 2015, as duas empresas assinaram o memorando de cooperação que prevê a colaboração na área de pesquisa geológica, exploração e transportação de hidrocarbonetos no território argentino e em outros países.

    O embaixador também mencionou as conversações entre Buenos Aires a empresa estatal russa de energia nuclear Rosatom sobre construção de uma usina nuclear russa na Argentina.

    Segundo ele, tal possibilidade dependerá em grande parte do financiamento e investimentos no projeto. "Diria que há limites [neste assunto], não propriamente técnicos, mas sim orçamentais", comentou.

    Anteriormente, durante a visita do presidente argentino Maurício Macri a Moscou foi informado que a Rosatom está interessada em um projeto para construir na Argentina uma usina nuclear de projeto russo.

    Mais:

    Especialista: Europa não consegue reduzir dependência do gás russo
    UE não vai apoiar gasoduto Nord Stream 2, diz Comissão Europeia de Energia
    Tags:
    acordo, exploração de gás, YPF, Gazprom, Maurício Macri, Rússia, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik