11:38 20 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Destruição de armas químicas na Rússia

    'Está comprovado': arsenal químico na Síria foi destruído, diz ministério russo

    © Sputnik / Ilya Pitalev
    Rússia
    URL curta
    8121

    A Síria eliminou seus estoques de armas químicas e a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) confirmou que, disse a represente oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova.

    Estados ocidentais acusaram o presidente sírio, Bashar Assad, de um ataque com o uso de armas químicas na cidade síria de Duma no início deste mês. Em resposta ao asuposto ataque, Estados Unidos, Reino Unido e França bombardearam a Síria na noite da sexta-feira (13).

    "Armas químicas na Síria foram destruídas. A Organização para a Proibição de Armas Químicas verificou este fato[…]. Armas químicas na Síria são usadas por extremistas e militantes. Isso é um fato comprovado e toda vez, quando ainda outro assentamento, outra cidade é liberada pelo exército sírio, os militares encontram depósitos com produtos químicos lá. Isso foi comprovad, foi provado pelos fatos", disse Zakharova ao canal de TV Rossiya-1 no domingo (15).

    A representante oficial disse que havia muitas armas químicas diferentes na Síria, enfatizando que o lado russo havia enviado um projeto de resolução ao Conselho de Segurança da ONU para estabelecer um mecanismo para investigar as origens dessas armas, mas que foi bloqueado por um grupo de estados liderados pelos EUA.

    Ela acrescentou que, ao mesmo tempo, os Estados Unidos ainda possuem armas químicas.

    A comunidade internacional expressou preocupações sobre o uso de armas químicas dentro da Síria desde o suposto uso do gás Sarin em Damasco, ainda em 2013. Após o incidente, a Síria aderiu à OPAQ e concordou em destruir seu arsenal de armas químicas. Em 4 de janeiro de 2016, a OPAQ emitiu uma declaração confirmando que a destruição das armas químicas sírias havia sido concluída.

    Mais:

    Macron diz que convenceu Trump a manter tropas na Síria
    Em documento final, Liga Árabe não inclui críticas ao ataque químico na Síria
    'Falsos pretextos, falsos resultados': embaixada russa critica ataques à Síria
    'Questão de interesse nacional': Theresa May explica ataques à Síria
    Egito se diz 'profundamente preocupado' e exige provas do uso de armas proibidas na Síria
    Tags:
    Guerra da Síria, Conselho de Segurança da ONU, Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), Maria Zakharova, Estados Unidos, EUA, Douma, Damasco, Reino Unido, França, Rússia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik