09:00 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    O presidente do Irã, Hassan Rouhani, em encontro com o líder russo, Vladimir Putin, no Kremlin de Moscou

    Putin: violações da Carta da ONU na Síria levarão ao caos nas relações internacionais

    © Sputnik / Alexey Nikolsky
    Rússia
    URL curta
    16230

    O presidente da Rússia, Vladimir Putin, conversou neste domingo (15) por telefone com o seu homólogo iraniano, Hassan Rouhani, sobre o ataque de mísseis dos EUA e seus aliados contra a Síria.

    "Os líderes trocaram opiniões sobre a situação ligada ao ataque de mísseis dos EUA e seus aliados contra o território sírio. Foi constatado que esta ação ilegal prejudica seriamente as perspectivas de um acordo político na Síria. Vladimir Putin, em particular, ressaltou que se tais ações, realizadas em violação à Carta da ONU, continuarem, inevitavelmente isto levará ao caos nas relações internacionais", diz o comunicado do Kremlin.

    Os líderes também discutiram a situação geral na região do Oriente Médio, incluindo a situação no Iêmen.

    Foi ressaltado que ambas as partes manifestaram interesse no desenvolvimento de uma cooperação russo-iraniana multifacetada, com a expansão de laços mutuamente benéficos na esfera comercial e econômica.

    Os Estados Unidos, França e Reino Unido realizaram um ataque de mísseis na manhã deste sábado (14) contra alvos sírios, que, de acordo, com estes países, são usados para a produção de armas químicas. Foram lançados mais de 100 mísseis, sendo que grande parte foi interceptada pelo sistema de defesa da Síria.

    As forças da Rússia não se envolveram no ataque, mas monitoraram todos os lançamentos. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, classificou o ataque como um ato de agressão contra um Estado soberano, tendo em vista que os supostos ataques químicos por parte das forças da Síria não foram confirmados por peritos militares russos e moradores locais. 

    Tags:
    mísseis, ataque, ONU, Hassan Rouhani, Vladimir Putin, Síria, Irã, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik