22:21 13 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    A representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, durante uma entrevista coletiva em 2 de outubro de 2017

    Ameaças de usar força contra território sírio violam Carta da ONU, diz Moscou

    © Sputnik / Ramil Sitdikov
    Rússia
    URL curta
    11141

    As ameaças expressas pelos EUA e França de usar a força contra a Síria são violações graves da Carta da ONU, disse nesta quinta-feira (12) a representante oficial da chancelaria russa, Maria Zakharova, durante coletiva de imprensa.

    "No mais alto nível, por parte dos presidentes norte-americano e francês, foi expressa uma ameaça de retaliação dura, inclusive o uso da força, contra a Síria. Queria sublinhar que a própria ameaça de usar força contra um país-membro da ONU é uma violação grave da Carta desta organização", manifestou.

    Além disso, a diplomata assinalou que Moscou apoia realização de investigação imediata dos relatos sobre o alegado ataque químico na Síria.

    "A Rússia se manifesta a favor da realização imediata de uma investigação imparcial das acusações antissírias não confirmadas com a ajuda da OPAQ [Organização para a Proibição de Armas Químicas]. Nós promovemos essa ideia no Conselho de Segurança da ONU de modo resoluto", realçou.

    Zakharova observou também que os militares russos — em coordenação com o governo sírio — estão dispostos a garantir condições seguras de trabalho para os especialistas no próprio local do suposto acidente.

    Quanto às recentes declarações da Organização Mundial de Saúde em relação a supostos 500 pacientes que estariam intoxicados, a representante oficial do ministério as qualificou como um fato de divulgação irresponsável de informações não justificadas e não confirmadas que provoca a escalada ainda maior do conflito sírio.

    "Washington continua expressando declarações belicistas que ameaçam com uma escalada extremamente perigosa. As acusações são apresentadas não apenas contra Damasco, mas também contra a Federação da Rússia que estaria apoiando o regime de Assad e, consequentemente, partilhando a responsabilidade por seus 'crimes'", acrescentou a diplomata.

    Além do mais, Zakharova apelou a "todos os membros responsáveis da comunidade internacional" para que pensem seriamente sobre as possíveis consequências de tais acusações, ameaças e ações planejadas, pois "ninguém atribuiu a líderes ocidentais o papel de gendarmes mundiais e, ao mesmo tempo, juízes de instrução, procuradores e verdugos".

    Mais cedo, o Ocidente acusou Damasco de ter realizado um ataque químico contra a cidade de Douma, em Ghouta Oriental, e a ameaçou com ataques militares.
    Moscou, por sua vez, refutou as informações sobre a bomba de cloro supostamente lançada por militares sírios, enquanto o Estado-Maior da Rússia comunicou sobre os preparativos alheios para as provocações com armas químicas ainda em 13 de março.

    Mais:

    Saiba como a Rússia pode repelir um ataque dos EUA contra a Síria (FOTOS)
    Ocidente não dá ouvidos à informações dos militares russos sobre situação na Síria
    Trump: 'Nunca disse quando aconteceria um ataque contra Síria'
    Tags:
    armas químicas, OPAQ, Organização Mundial de Saúde, Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik