17:05 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Aleksandr Bortnikov em 28 de outubro

    Criptomoedas são uma arma dos terroristas, diz chefe de segurança da Rússia

    © Sputnik / Sergei Guneev
    Rússia
    URL curta
    320

    Grupos terroristas internacionais são capazes de usar a tecnologia moderna, recrutar hackers em suas fileiras e financiar ativamente suas atividades com criptomoedas, afirmou o chefe do Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB, na sigla em inglês) nesta quarta-feira.

    "Não estamos falando apenas de propaganda agressiva e recrutamento na internet, que atualmente conta com mais de 10 mil sites [relacionados a terroristas] e centenas de milhares de contas em redes sociais. Estou falando sobre o uso em grande escala de vários meios de comunicação criptografada, transações bancárias eletrônicas e criptomoedas, esquemas de gerenciamento remoto e financiamento de atividades terroristas", disse o diretor do FSB, Aleksandr Bortnikov.

    O agente acrescentou que, em 2017, a Rússia sofreu quatro ataques terroristas e mais 25 foram impedidos pelos serviços especiais do país.

    "Todos estes foram coordenados por meio de mensageiros da Internet, em alguns casos, dos territórios da Síria e do Iraque", comentou. "Junto com isso, os terroristas estão constantemente ampliando sua presença na comunidade internacional de hackers e até mesmo organizam suas próprias unidades de hackers".

    Não é a primeira vez que o chefe de segurança russo avisa sobre as possíveis conseqeências negativas do uso da moderna tecnologia de dados por terroristas e outros extremistas. Em meados de 2017, Bortnikov entregou um relatório fechado sobre o assunto ao Parlamento russo.

    De acordo com vários deputados que ouviram o relatório, o chefe do FSB e os legisladores concordaram com a importância primordial de medidas conjuntas para defender a soberania nacional no ciberespaço. Em particular, eles querem que a Rússia desenvolva seu próprio software e chips e também forcem empresas internacionais que trabalham na Rússia a transferir seus servidores para seu território.

    Em 2013, Bortnikov disse a repórteres que pessoalmente havia ordenado a preparação de leis que bloqueariam a rede de anonimato TOR no setor russo da internet. Ele disse que o FSB havia iniciado o movimento, já que as figuras anônimas da internet eram usadas por traficantes de armas, traficantes de drogas e fraudadores de cartões de crédito, dando ao FSB um interesse óbvio em limitar o uso de tal software. No entanto, nenhuma ação particular contra o TOR foi tomada na Rússia desde então.

    Mais:

    É detectada pornografia infantil no blockchain do bitcoin
    Bitcoin parece a bolha de 2000, mas colapso virá 15 vezes mais rápido, diz banco dos EUA
    Sem consenso no Congresso, bitcoin seguirá sem regulação no Brasil, diz presidente do BC
    Tags:
    segurança, terrorismo, moedas virtuais, criptomoedas, bitcoin, Serviço Federal de Segurança (FSB), Aleksandr Bortnikov, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik