00:03 18 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Imagem do ex-espião russo Sergei Skripal em 9 de agosto de 2006, quando falava com o seu advogado atrás das grades fora de um tribunal de Moscou

    Reino Unido deve mostrar prova de que agente químico era da Rússia, dizem especialistas

    © AP Photo / Misha Japaridze
    Rússia
    URL curta
    Envenenamento de ex-espião russo (102)
    6123

    Um ex-chefe da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) rejeitou as alegações de que a Rússia esteja por trás do ataque químico de Salisbury, no Reino Unido. O especialista acrescentou que o Irã foi mais recentemente conhecido por ter Novichok [substância A-234] - não a Rússia.

    Enquanto os EUA, a Europa e outras nações participam de uma expulsão em massa de diplomatas russos, após as alegações do Reino Unido de que o Kremlin é "culpado" pelo envenenamento de Sergei e Yulia Skripal, o Dr. Ralf Trapp tem reservas. O ex-secretário do Conselho Consultivo Científico da OPAQ disse que, nesta fase, não há evidências conclusivas de responsabilidade russa.

    Em uma entrevista exclusiva à organização INSURGE, a ex-autoridade sênior disse que, embora haja evidências convincentes de que a Rússia tenha executado um programa secreto de pesquisa para fabricar agentes químicos da categoria Novichok, não há provas de que tais programas ainda existam hoje.

    "Não tenho informações sobre se a Rússia continuou o programa depois de meados dos anos 90”, disse ele, “mas não excluiria a possibilidade de que pequenas quantidades do que poderia ser 'explicado' como materiais necessários em pesquisas de proteção tenham sido retidos ou recentemente sintetizado. Mas novamente — não há dados reais sobre isso", afirmou.

    Quando perguntado se a Rússia era a responsável pelo ataque aos Skripals, Trapp disse: "… há outras possibilidades teóricas", acrescentando que "isso dependeria do que mais o Reino Unido conhece e ainda não tornou público", explicou ele, que "não pode ver imediatamente motivo ou oportunidade" para outras partes envolvidas "exceto para o Reino Unido, como sugerido pela Rússia". No entanto, ele acrescentou que ele não "considerou [essa teoria] credível em tudo".

    A falta de provas do governo britânico também foi levantada pelo ex-embaixador do Reino Unido no Uzbequistão, Craig Murray. Documentos judiciais proferidos na semana passada em uma decisão sobre os cuidados médicos da Skripal também notaram que o produto químico usado era um “agente nervoso de classe militar de um tipo desenvolvido pela Rússia” — mas não confirmou conclusivamente a origem da arma.

    Depois que o governo britânico colocou a culpa pelo ataque de Salisbury à Rússia, Moscou exigiu uma amostra do agente usado por seus próprios especialistas para analisar. Isso teria permitido à Rússia publicar suas próprias descobertas, mas o Reino Unido se recusou a fornecer uma amostra.

    Leonard Rink, um dos cientistas russos que confirmou a existência do programa Foliant que originalmente desenvolveu os produtos químicos Novichok, acredita que a recusa do Reino Unido em fornecer a amostra química sugere que ela não é necessariamente de origem russa.

    "Para qualquer país com armas de destruição em massa — o Reino Unido, os EUA, a China e todos os países desenvolvidos — qualquer país com pelo menos alguma química não teria problemas para criar esse tipo de arma", disse. "Por que os britânicos não estão fornecendo amostras para Moscou? Porque não importa o quanto os especialistas [britânicos] tentem, uma tecnologia sempre diferirá um pouco. Esta é sua assinatura exclusiva. Ficará imediatamente claro que não é uma tecnologia fabricada na Rússia".

    Tema:
    Envenenamento de ex-espião russo (102)

    Mais:

    Nova Zelândia pode proibir russos de entrar no país devido ao caso Skripal
    Polícia britânica diz que Skripal pode ter sido envenenado dentro de casa
    EUA reconhecem não ter provas da responsabilidade russa no caso Skripal
    Tags:
    armas químicas, espionagem, envenenamento, Novichok, Kremlin, Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), Craig Murray, Yulia Skripal, Sergei Skripal, Ralf Trapp, Salisbury, Reino Unido, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik