23:24 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Vista pelo Kremlin de Moscou, Rússia (foto de arquivo)

    Inteligência dos EUA confirma: Rússia lida com êxito com sanções

    © Sputnik / Kirill Kallinikov
    Rússia
    URL curta
    10312

    De acordo com o diretor da Inteligência Nacional dos EUA, Dan Coats, a Rússia vem lidando com êxito com as sanções impostas contra ela. Isso foi assinalado pelo alto funcionário em seu relatório dedicado à análise das ameaças globais aos EUA.

    "A Rússia continuará minando a unidade do Ocidente no que se trata das sanções e do apoio a Kiev, contudo, o Kremlin está lidando com êxito com as sanções", assinalou Coats.

    Segundo o relatório, a Rússia está se preparando para realizar neste ano ciberoperações "mais ousadas e destruidoras": "A inteligência russa e serviços de segurança continuarão sondando a infraestrutura crítica dos EUA e seus aliados, bem como atacando os EUA, OTAN e aliados visando obter informações sobre a política norte-americana".

    Durante seu possível novo mandato, o presidente Vladimir Putin apostará em uma política externa "agressiva e oportunista", influenciando os eventos fora das fronteiras russas, alertou o chefe da Inteligência Nacional.

    Coats estima que Moscou vá procurar a colaboração com os EUA nas áreas de seus interesses, utilizando simultaneamente uma "tática agressiva diversificada" para reforçar suas posições como uma grande potência, enfraquecer os EUA e minar a unidade euro-atlântica.

    Além disso, segundo o relatório, a Rússia continuará a modernização das armas nucleares.

    Coats acrescentou que novas sanções podem ser introduzidas contra a Rússia já na semana que vem.

    Mais:

    EUA aplicam sanções contra Coreia do Norte pelo assassinato do irmão de Kim Jong-un
    ExxonMobil cancela negócios conjuntos com petroleira russa devido a sanções dos EUA
    Analista dos EUA: faz mais sentido para a Rússia arruinar sanções contra Pyongyang
    Tags:
    relatório, sanções, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik