11:13 05 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    550
    Nos siga no

    A atribuição pelos EUA à Rússia da responsabilidade pela violação do cessar-fogo em Ghouta Oriental é mais um ato de guerra informacional de Washington. Moscou não realiza qualquer jogo duplo, informou o presidente do Comitê de Assuntos Exteriores da câmara alta do parlamento russo, Konstantin Kosachev.

    Anteriormente, a porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Heather Nauert, declarou que os EUA responsabilizam a Rússia por não respeitar o regime de cessar-fogo em Ghouta Oriental, onde, desde 24 de fevereiro, morreram mais de 100 pessoas.

    "Considero essas declarações como mais um ato de guerra informacional contra a Rússia", disse Kosachev à Sputnik. 

    Ele sublinhou que foi a Rússia que tomou a iniciativa de estabelecer pausas humanitárias e tem estado trabalhando constantemente com os países envolvidos no conflito, incluindo os EUA, a Turquia e outras potências regionais, para que eles, por sua vez, trabalhem com as formações "subordinadas" em Ghouta Oriental. Pelo menos essa pausa humanitária, disse, foi respeitada e, em resultado ali foi alcançada uma desescalada militar.

    "A Rússia não realiza, de maneira nenhuma, qualquer jogo duplo, está totalmente interessada, quanto a Ghouta Oriental, em que ali se aplique o cenário que anteriormente foi implementado em Aleppo e algumas outras zonas da Síria, ao contrário de Raqqa, onde a situação é terrível e não foram criados quaisquer corredores humanitários", declarou o parlamentar russo.

    A situação humanitária no subúrbio oriental da capital síria deteriorou-se drasticamente desde 18 de fevereiro, quando as forças do governo sírio lançaram uma operação denominada "Escudo de Damasco", com o objetivo de limpar a região dos militantes. De acordo com os militares russos, os grupos terroristas na região tentam deliberadamente escalar a situação em Ghouta Oriental, impedindo os civis de sair da área e provocando ações de retaliação por parte do governo sírio. 

    A pausa humanitária em Ghouta Oriental foi anunciada pelo ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, em 26 de fevereiro, por ordem do presidente russo, Vladimir Putin. A medida tem como principal objetivo permitir a saída de civis da região através de um corredor humanitário, monitorado pela polícia militar russa e o Exército sírio.

    Tags:
    relações bilaterais, cessar-fogo, Rússia, Ghouta Oriental, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar