03:02 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Pacote de cocaína

    FSB: Líder do grupo de contrabando de cocaína na Argentina está escondido na Alemanha

    © AP Photo / Arnulfo Franco
    Rússia
    URL curta
    0 60

    O líder do grupo de contrabando de cocaína que utilizou as instalações da embaixada russa na Argentina está escondido na Alemanha, informou o serviço de segurança da Rússia, FSB.

    Cocaína apreendida na Embaixada da Rússia em Buenos Aires durante operação conjunta dos serviços de segurança russo e argentino
    © AP Photo / Ministério de Segurança da Argentina
    Ainda de acordo com a assessoria de comunicação da FSB, a Rússia pediu um mandado de busca e captura à Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol).

    "O trabalho está sendo realizado atualmente para processar acusações criminais o organizador deste grupo criminoso, fugitivo na Alemanha, que foi declarado foragido internacional pela Interpol", afirmou a entidade em comunicado.

    Anteriormente, 26 de fevereiro, o tribunal distrital de Tverskoi, em Moscou, ordenou a prisão de uma das pessoas envolvidas no caso de tráfico de drogas da Argentina.

    A operação, concluída com a prisão de Ivan Blizniuk e Alexandr Chikalo, que organizou programas de treinamento para policiais, começou em 14 de dezembro de 2016, quando as autoridades da Embaixada da Rússia na Argentina entraram em contato com a Ministra da Segurança da Argentina, Patricia Bullrich.

    Após uma investigação, que incluiu escuta telefônica e inteligência, foram apreendidos 389 quilos de cocaína distribuídos em 360 pacotes em pacotes diplomáticos.

    Verificou-se que um dos envolvidos era Ali Abyanov, ex-funcionário da Embaixada da Rússia na Argentina, que entre 2012 e 2015 tinha sido responsável por transportar a droga para uma organização criminosa.

    Tags:
    Embaixada da Rússia na Argentina, Serviço Federal de Segurança (FSB), Ali Abyanov, Patricia Bullrich, Alemanha, Moscou, Argentina, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik