17:43 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Kremlin de Moscou

    Vice-chanceler russo alerta: Moscou pode retaliar os EUA pela 'Lista do Kremlin'

    © Sputnik / Vladimir Sergeev
    Rússia
    URL curta
    'Lista do Kremlin': um sinal para Moscou (9)
    571

    A Rússia responderá à chamada 'Lista do Kremlin' quando seu governo considerar que chegou o momento de fazê-lo, disse o vice-ministro russo de Relações Exteriores, Sergei Ryabkov.

    "Não estamos à procura de simetria absoluta a todo custo, nem agiremos em prejuízo próprio. Responderemos quando nosso presidente e nosso governo, ao avaliar todos os fatores, considerem que é hora de fazê-lo, se chegarem a essa conclusão", explicou Ryabkov em entrevista ao jornal Izvestia.

    O diplomata sênior enfatizou que as respostas russas às restrições dos EUA incluíram tanto a expansão das listas de sanções quanto diversas medidas específicas, por exemplo, o corte de pessoal das missões diplomáticas dos EUA na Rússia.

    Além disso, Moscou suspendeu a validade de três acordos nucleares em retaliação pela política hostil da administração anterior dos Estados Unidos, disse Ryabkov.

    "Nós já iniciamos uma série de meios e mecanismos para uma resposta material, não retórica, para essas etapas, e ainda temos medidas semelhantes em nosso arsenal, embora sua possível aplicação seja materializada através de uma decisão política especial que seria levada em consideração o conjunto de circunstâncias", afirmou ele.

    O Departamento do Tesouro dos EUA divulgou a chamada "Lista do Kremlin" na noite de 29 para 30 de janeiro. Trata-se de um documento escrito para o Congresso que inclui os nomes de 114 representantes da liderança política russa e 96 empresários, que poderiam estar sujeitos às sanções dos EUA no futuro.

    O documento foi preparado de acordo com a lei de Caatsa (lei para combater os adversários dos EUA através de sanções), que o presidente Donald Trump assinou no início de agosto e que prevê amplas sanções contra o Irã, Rússia e Coreia do Norte.

    A lista inclui posições-chave do governo, do Parlamento e do gabinete presidencial russo, bem como empresários cuja fortuna exceda US$ 1 bilhão.

    O documento também contém um anexo classificado que pode incluir indivíduos não mencionados no relatório principal, de acordo com o Departamento do Tesouro. Estas são taxas mais baixas do que as listadas, bem como fortunas corporativas abaixo de US$ 1 bilhão.

    A publicação desse relatório não significa a aplicação automática de novas sanções. Além disso, vários membros da lista já estão sujeitos a restrições nos EUA.

    O presidente da Rússia, Vladimir Putin, chamou a publicação do relatório de um movimento hostil que poderia prejudicar o relacionamento entre Moscou e Washington, mas disse que a Rússia se absteria de retaliar e observaria como a situação se desenvolve.

    Tema:
    'Lista do Kremlin': um sinal para Moscou (9)

    Mais:

    'Lista do Kremlin': como Washington pretende pressionar Moscou
    Putin 'lamenta' não ter sido incluído na 'Lista do Kremlin'
    'Lista do Kremlin' significa de fato rompimento das relações com EUA, diz senador russo
    Tags:
    retaliação, diplomacia, relações bilaterais, Lista do Kremlin, Departamento do Tesouro, Vladimir Putin, Sergei Ryabkov, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik