17:50 18 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Sistema de mísseis Iskander-M durante o desfile de equipamento militar no polígono de Alabino no Fórum militar EXÉRCITO 2016, região de Moscou, Rússia, setembro de 2016

    Países com tropas e armas da OTAN estão mais inseguros, diz autoridade russa

    © Sputnik / Grigory Sysoev
    Rússia
    URL curta
    7011
    Nos siga no

    A presença militar cada vez maior da OTAN perto das fronteiras da Rússia piora dramaticamente as situações de segurança em países onde as tropas e equipamentos da aliança estão sendo estacionados, advertiu o primeiro vice-ministro russo de Relações Exteriores, Vladimir Titov.

    "[Estou] certo de que as consequências negativas dos preparativos militares da OTAN devem suscitar uma grande preocupação entre todos os lados, pois pioram a situação de segurança em relação aos Estados cujos territórios estão sendo utilizados para implantar forças e recursos da OTAN", disse Titov, citado pela RT.

    Sobre as políticas de segurança nacional da Rússia, o oficial disse que a doutrina militar de Moscou classifica o acúmulo da OTAN "entre as principais ameaças militares para o país". Isso inclui os contingentes militares que são transferidos para países que fazem fronteira com a Rússia, bem como "criando e implantando mísseis estratégicos e sistemas de defesa", afirmou.

    "Essas etapas foram realizadas pela aliança ano após ano no âmbito da sua política de 'restringir' o nosso país. Na Europa, uma cabeça de ponte está sendo formada para implantar, se necessário, um agrupamento ofensivo", analisou Titov.

    Moscou também está preocupada com "a expansão das atividades navais e aéreas da aliança" perto das fronteiras da Rússia, bem como a criação de "novas infraestruturas militares" e o aumento da "escala e intensidade dos exercícios", destacou o primeiro vice-ministro russo de Relações Exteriores.

    "De acordo com outros planos para desenvolver o sistema de defesa de mísseis dos EUA/OTAN na Europa, além da instalação que já funciona na Romênia, uma base de defesa de míssil semelhante deverá ser posta em operação em Redzikowo, na Polônia, em 2018", acrescentou Titov.

    "Agressão russa"

    No início deste mês, Washington teria destinado US$ 214 milhões para construir aeródromos, locais de treinamento, faixas e outras instalações militares em um acúmulo militar sem precedentes no leste e norte da Europa, visando o que os EUA repetidamente chamaram de "agressão russa".

    A modernização planejada de bases aéreas localizadas predominantemente na Europa Oriental, perto das fronteiras da Rússia, bem como na Islândia e na Noruega, faz parte da Iniciativa Europeia de Deterioração (EDI), de US$ 4,6 bilhões, voltada a "tranquilizar" os aliados europeus da OTAN.

    Os fundos serão distribuídos entre nove bases na Letônia, na Estônia, na Eslováquia, na Hungria, na Romênia, no Luxemburgo, na Islândia e na Noruega para permitir que eles abriguem os aviões de guerra topo de linha dos EUA, informou o Air Force Times.

    Escalada da OTAN

    A OTAN triplicou sua presença militar nas fronteiras ocidentais da Rússia nos últimos cinco anos, forçando Moscou a tomar medidas de retaliação, afirmou o ministro russo da Defesa, Sergei Shoigu, na semana passada.

    "Quatro grupos táticos de batalhão são uma brigada blindada dos EUA implantada nos países Bálticos e na Polônia, as equipes das divisões internacionais da OTAN na Polônia e na Romênia", disse Shoigu, acrescentando que o número de tropas preparadas para o trabalho cresceu de 10 a 40 mil.

    O bloco militar também reforçou suas atividades de vigilância aérea e naval. Mais de 30 manobras são realizadas todos os anos perto das fronteiras ocidentais da Rússia, disse o chefe de defesa russo, acrescentando que seus "cenários são baseados em um confronto militar com o nosso país".

    Enquanto a OTAN continua seu acúmulo na Europa, os EUA violaram o tratado de 1987 sobre a eliminação de mísseis de alcance intermediário e curto alcance, disse recentemente o presidente da Rússia, Vladimir Putin.

    "Formalmente", os lançadores de defesa de mísseis da América agora com sede na Polônia são destinados a combater ameaças, disse o líder russo. "O ponto é, e os especialistas sabem muito bem sobre isso, esses lançadores são todos de propósito. Eles também podem ser usados com mísseis de cruzeiro lançados no mar com a faixa de voo de até 2.500 km [1.550 milhas]. E neste caso, esses mísseis não são mais mísseis lançados pelo mar, eles podem ser facilmente transferidos para a terra", disse Putin.

    O Ministério da Defesa da Rússia "deve levar em conta" as estratégias militares ocidentais, disse ele, observando que a Rússia tem "um direito soberano e todas as possibilidades de reagir adequadamente e oportunamente a tais ameaças potenciais".

    Em novembro, o enviado da Rússia à OTAN, Aleksandr Grushko, apontou que os planos da OTAN para reformar sua estrutura de comando foram modelados em esquemas usados durante a Guerra Fria.

    Mais:

    Marechal britânico: Rússia pode deixar OTAN sem Internet
    Especialistas advertem OTAN sobre o reforço do poder militar da Rússia
    Presidente da Sérvia explica por que seu país não deseja fazer parte da OTAN
    Tags:
    segurança, defesa, diplomacia, Guerra Fria, OTAN, Sergei Shoigu, Vladimir Putin, Vladimir Titov, Romênia, Polônia, Europa, Estados Unidos, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar