16:49 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    12192
    Nos siga no

    Nas vésperas do Ano Novo, todo o mundo troca felicitações, até com as pessoas com as quais comunicamos pouco na vida cotidiana. Para um líder do país também é indispensável enviar seus parabéns a seus homólogos, aproveitando a oportunidade para expressar suas ideias e propostas. Saiba como Vladimir Putin o fez este ano.

    A nível internacional, o ano de 2017 para a Rússia foi caracterizado por muitos acontecimentos, quedas e avanços: Moscou reforçou seu papel na mediação dos conflitos no Oriente Médio, suas relações com as nações europeias melhoraram um pouco, por exemplo, com a França, e acabou com sucesso a campanha militar na Síria.

    Ao mesmo tempo, por mais que se esperasse, não houve de fato nenhuns êxitos no que se trata do melhoramento dos laços com Washington, agudizou-se o conflito em torno da península coreana, isto é, perto do Extremo Oriente russo, agravou-se a pressão das sanções.

    Em suas mensagens para os líderes mundiais, o presidente russo, Vladimir Putin, não só enviou felicitações, mas também fez questão de expressar sua opinião sobre diferentes assuntos globais e fazer suas sugestões.

    Donald Trump, EUA

    De acordo com a assessoria de imprensa do Kremlin, em uma carta de felicitações para o presidente estadunidense, Donald Trump, seu homólogo russo se mostrou certo que "na situação internacional complicada de hoje, a construção de um diálogo russo-americano é especialmente urgente com o fim de reforçar a estabilidade estratégica no mundo e buscar as respostas adequadas para os desafios e perigos globais".

    Ademais, Putin frisou que as relações entre Moscou e Washington devem se basear exclusivamente em princípios de igualdade e respeito mútuo.

    "Isto nos ajudaria a avançar no processo de construção de uma cooperação pragmática, orientada para o longo prazo", resumiu o presidente da Rússia.

    Michel Temer, Brasil

    Em sua mensagem ao presidente do Brasil, Michel Temer, o presidente russo observou que em 2017 foram feitos progressos na cooperação estratégica entre os dois países, no diálogo político e nas relações econômicas, comerciais, culturais e humanitárias.

    O presidente Putin destacou a colaboração construtiva da Rússia e do Brasil no âmbito da ONU, grupo BRICS e G20, bem como reafirmou a vontade de continuar fortalecendo os laços bilaterais em benefício de ambos os povos.

    Bashar Assad, Síria

    Ao felicitar seu homólogo sírio, Putin aproveitou a oportunidade para realçar que a Rússia vai continuar prestando toda a assistência necessária ao país no que se trata da defesa da soberania nacional.

    "Na carta destinada ao presidente da República Árabe da Síria, Bashar Assad… Vladimir Putin confirmou que a Rússia vai continuar prestando toda a ajuda à República Árabe da Síria no que se trata de defender a soberania nacional, unidade e integridade territorial, bem como no avanço da regularização política e nos esforços para revitalizar a economia do país", diz-se na mensagem do Kremlin.

    Frisa-se que, na sua carta, o chefe de Estado russo expressou a sincera esperança de que, no ano que vem, a Síria continue as mudanças sérias para uma vida melhor.

    Ademais, Putin sublinhou que a derrota dos terroristas e a próxima normalização da situação na República Árabe da Síria correspondem aos interesses de paz e segurança em toda a região do Oriente Médio.

    Recep Tayyip Erdogan, Turquia

    Ao se dirigir ao seu homólogo turco, Putin sublinhou que no ano cessante as duas partes conseguiram avançar no desenvolvimento da cooperação bilateral.

    O presidente russo frisou que "no ano corrente, foi conseguido não só restaurar completamente as relações russo-turcas, como avançar bastante na cooperação bilateral em toda uma série de áreas".

    "A cooperação estreita entre os nossos países permitiu colocar uma sólida barreira ao alastramento ulterior da ameaça terrorista no Oriente Médio e criar as condições para o lançamento do processo político a fim de resolver o conflito sírio", detalha-se no comunicado.

    Xi Jinping, China

    Na sua mensagem para o líder chinês, seu parceiro pelo bloco BRICS, Putin expressou sua disponibilidade para aumentar a cooperação estratégica sino-russa.

    "O chefe do Estado russo confirmou a sua disponibilidade para o ulterior reforço da parceria universal e confiável e cooperação estratégica entre a China e a Rússia para o bem dos povos amigos dos nossos países", precisou a assessoria de imprensa do Kremlin.

    O presidente russo fez questão de frisar que o ano de 2017 foi marcado por novos êxitos no crescimento das relações russo-chinesas.

    Presidente russo, Vladimir Putin, e presidente norte-americano, Donald Trump, durante a cúpula do G20 em Hamburgo
    © Sputnik / Mikhail Klimentiev
    "Putin realçou que Moscou e Pequim estão cooperando de modo eficaz ao lidarem com os assuntos internacionais, dão um contributo importante para a resolução dos problemas globais da atualidade, aumentam os contatos a nível regional", destaca-se no documento.

    Benjamin Netanyahu, Israel

    Em meio às tensões que têm rodeado a recente decisão estadunidense de reconhecer Jerusalém como a capital israelense, Vladimir Putin ressaltou na sua mensagem para o premiê do país que conta com a continuação da cooperação visando garantir a estabilidade e segurança no Oriente Médio.

    "Ao dirigir-se ao primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, Vladimir Putin enfatizou que espera continuar trabalhando para reforçar a cooperação bilateral na área humanitária, política, comercial e outras, bem como a interação para garantir a estabilidade e segurança na região do Oriente Médio", revelou o Kremlin.

    Shinzo Abe, Japão

    Ao "falar" com o líder japonês, o premiê Shinzo Abe, Vladimir Putin fez lembrar que o aguarda em Moscou em maio que vem, bem como em São Petersburgo, nos finais da primavera, para participar do Fórum Econômico Internacional.

    O líder russo sublinhou que recentemente as relações russo-japonesas têm se desenvolvido em vários sentidos: intensificou-se o diálogo político, restabeleceu-se o mecanismo de consultas entre os chanceleres e ministros da Defesa dos dois países e estreitaram-se os laços interparlamentares.

    Ademais, Putin fez lembrar que o ano de 2018 será marcado por dois eventos importantíssimos a nível bilateral — o Ano do Japão na Rússia e o Ano da Rússia no Japão, que ajudarão a solidificar a confiança mútua entre os dois povos.

    Emmanuel Macron, França

    Em sua carta a Emmanuel Macron, presidente francês que tomou posse em 2017, seu homólogo russo enfatizou que está aguardando a sua visita ao Kremlin.

    "Nosso encontro em Versalhes e as conversas telefônicas permitiram discutir adequadamente muitas questões atuais das relações bilaterais e problemas-chave no mundo. Conto com a continuação de um diálogo construtivo com você, com um trabalho conjunto para estreitar os laços russo-franceses. Espero a sua visita à Rússia", diz-se na mensagem.

    Mais:

    Putin: Rússia contribuiu como ninguém na derrota dos terroristas na Síria
    Putin: Rússia continuará combatendo o terrorismo na Síria se for necessário
    Putin reúne-se com Assad em Sochi
    Kremlin comenta palavras do ex-diretor da CIA sobre influência de Putin em Trump
    Putin é a arma secreta dos democratas estadunidenses contra Trump?
    Tags:
    carta, Ano Novo, Michel Temer, Shinzo Abe, Xi Jinping, Emmanuel Macron, Donald Trump, Benjamin Netanyahu, Vladimir Putin, China, Turquia, Brasil, Israel, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar