18:41 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Arco ferroviário instalado na ponte da Crimeia

    Ponte que ligará Crimeia à Rússia continental finalmente ganha nome

    © Sputnik / Aleksandr Polegenko
    Rússia
    URL curta
    8141

    O nome oficial da ponte construída através do estreito de Kerch vai aparecer nas placas de estrada e mapas topográficos, comunica o portal especial onde os cidadãos russos escolheram a denominação dela.

    Foi na noite de sábado (16) que terminou a votação no site especial "Chame a Ponte". Ao final, a maioria dos participantes escolheu Ponte da Crimeia como nome oficial do projeto grandioso. Outro "candidato" forte, Ponte de Kerch, em referência ao respectivo estreito, teve menos de metade dos votos.

    A terceira posição foi ocupada pela simbólica denominação Ponte da Reunificação.

    A ponte, cujas partes serão unidas, segundo os construtores, nos finais de dezembro, será a mais longa da Rússia com 19 quilômetros de comprimento e ligará a região russa de Krasnodar à península da Crimeia, que foi reunificada com a Rússia na primavera de 2014. Resulta que já neste ano se poderá (mas por enquanto só para os construtores) passar da costa de Taman até à costa crimeana.

    Destaca-se que o início da circulação de automóveis pela ponte da Crimeia está planejado para dezembro do ano que vem.

    Ademais, frisa-se que a construção está sendo efetuada a ritmos acelerados, estando já o tabuleiro da ponte montado a 95%.

    A votação decorreu durante um mês desde 16 de novembro. A ideia para efetuá-la foi proposta pelo presidente russo, Vladimir Putin, durante sua grande coletiva de imprensa anual em 2016.

    Mais:

    Para os europeus, Moscou está 'militarizando' Crimeia e Kaliningrado
    Montagem dos suportes da parte rodoviária da ponte da Crimeia está concluída
    'Sufocados de inveja': por que Kiev tenta impedir construção da ponte da Crimeia
    Tags:
    construção civil, ponte, Ponte da Crimeia, Rússia, Crimeia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik