06:56 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    O presidente russo Vladimir Putin

    Putin é alvo de ameaças de ataque a bomba e autoridades russas denunciam ação estrangeira

    © Sputnik / Aleksei Nikolsky
    Rússia
    URL curta
    9217

    A recente onda de falsas ameaças de bombas feitas por telefone na Rússia, inclusive sobre explosivos plantados para atacar o presidente Vladimir Putin, visam desestabilizar a situação no país no limiar da próxima eleição, disse o vice-presidente do Comitê do Conselho da Federação sobre Assuntos Internacionais, Vladimir Dzhabarov, à Sputnik.

    No começo do dia, o porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, disse que a administração foi informada de cerca de 60 telefonemas alegando que 50 bombas foram plantadas em São Petersburgo, inclusive no caminho da moto do presidente russo Vladimir Putin. Peskov acrescentou que as ameaças originadas do exterior.

    Bonecas tradicionais russas, 'matryoshkas', com imagens de Trump, Putin e Clinton
    © AFP 2019 / Kirill KUDRYAVTSEV

    "Naturalmente, o presidente foi informado", disse Peskov, acrescentando que não havia instruções adicionais de Putin. "O serviço de segurança apenas fez o que tinha que fazer", disse o porta-voz do Kremlin, dizendo ainda que todas as ameaças eventualmente se tornaram falsas.

    "Foi dada especial atenção para garantir que o trabalho [do serviço de segurança] não cause qualquer desconforto para os cidadãos", completou. Além disso, as ameaças de bomba "não afetaram de forma alguma as atividades planejadas do presidente".

    "Estes são todos os links de uma cadeia: terrorismo de telefone, tentativas de desestabilizar a situação no país antes das eleições, para perturbar a opinião pública. Mas essas ações terão um efeito reverso", disse Dzhabarov neste sábado.

    Ele apontou que os legisladores russos estavam discutindo possíveis penalidades mais estritas para os "terroristas de telefone".

    "Processos criminais foram iniciados, a investigação está em andamento e as fontes são muitas vezes reveladas no exterior", disse Dzhabarov.

    Ele acrescentou que as agências de aplicação da lei seguiram a situação.

    Uma onda de telefonemas anônimos levou a evacuações maciças em toda a Rússia nos últimos meses. Todos eles provaram ser falsos alarmes. Oleg Baranov, chefe do Ministério do Interior do Ministério de Moscou, disse no início desta semana que a maioria das chamadas veio do Japão, Turquia, Ucrânia e Estados Unidos.

    Mais:

    'Guerra Fria eleitoral': Rússia espera que EUA usem eleições para desestabilizar o país
    Putin define data para anunciar candidatura às eleições na Rússia, diz jornal
    Conheça as possíveis candidatas à presidência da Rússia nas eleições de 2018!
    Tags:
    interferência estrangeira, ameaça de bomba, terrorismo, política, eleições russas 2018, Vladimir Dzhabarov, Dmitry Peskov, Vladimir Putin, Moscou, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar