11:53 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Parada do Hezbollah durante uma cerimônia de homenagem a militantes mortos, no Líbano, em 18 de fevereiro de 2017.

    Crise no Líbano: preocupada, Rússia defende solução sem interferência externa

    © AP Photo / Mohammed Zaatari
    Rússia
    URL curta
    562

    A Rússia está preocupada com a situação no Líbano após a renúncia do primeiro-ministro do país, Saad Hariri, disse o Ministério de Relações Exteriores da Rússia nesta terça-feira.

    "Moscou está preocupada com a situação no país amigo do Líbano. Correm perigo as tendências positivas que se desenvolveram com sucesso no país desde o final de 2016 quando, como resultado da eleição de Michel Aoun como presidente e a formação do governo da coalizão, liderado por Hariri, superando a crise do poder executivo", diz o comunicado.

    A pasta russa acrescenta que a Rússia defende "a moderação e a abordagem construtiva de todos os atores externos, que influenciam o desenvolvimento da situação no Líbano".

    O Ministério de Relações Exteriores enfatizou ainda que a Rússia apoia a soberania, a unidade e a integridade territorial do Líbano e defende "a solução de todas as questões na agenda nacional pelos próprios libaneses sem intervenção externa".

    Em 4 de novembro, o primeiro-ministro libanês renunciou enquanto estava em Riad, na Arábia Saudita. Na sua carta de demissão, ele atribuiu sua demissão em particular ao medo por sua vida.

    De lá para cá, as tensões na região aumentaram significativamente. De um lado, a Arábia Saudita e Israel acusaram o Irã pela crise no Líbano, tendo Teerã ainda influenciado o grupo militante xiita libanês Hezbollah, que Riad e Tel Aviv consideram uma "organização terrorista".

    Já a República Islâmica iraniana negou ter qualquer envolvimento na instabilidade vivida em Beirute.

    Mais:

    Líbano está à beira de uma guerra civil?
    Renúncia de premiê do Líbano foi orquestrada pela Arábia Saudita, diz líder do Hezbollah
    'França, o novo Líbano': escritor diz que França 'perdeu a guerra' contra muçulmanos
    Tags:
    crise política, diplomacia, conflito, guerra, Hezbollah, Michel Aoun, Saad Hariri, Golfo Pérsico, Irã, Arábia Saudita, Líbano, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik