21:51 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Moscovitas tirando selfie no centro da capital da Rússia

    Moscou assume 4º lugar entre cidades mais seguras e oportunas à prosperidade para mulheres

    © Sputnik / Vladimir Astapkovich
    Rússia
    URL curta
    260

    De acordo com ranking realizado pela Fundação Thomson Reuters, Moscou é a quarta cidade mais destacada em termos de segurança e desenvolvimento profissional e pessoal das mulheres.

    A lista da Thomson Reuters conta com indicadores tais como nível de violência sexual, acesso aos cuidados médicos e à educação, oportunidades econômicas, tradições culturais entre outros.

    De acordo com os resultados, a capital russa é uma cidade onde "as mulheres podem viver sem correr risco de ser violadas". Também foi destacado o acesso a cuidados médicos e controle efetivo sobre a saúde reprodutiva e mortalidade materna.

    Entre todos indicadores, Moscou ganha em termos de práticas culturais. "As mulheres são bem protegidas de práticas culturais potencialmente danificadas, como mutilação genital feminina, casamento precoce ou forçado e infanticídio feminino", aponta o estudo.

    No lado oposto do ranking está o Cairo (Egito), como a pior cidade para as mulheres. Despois seguem Carachi (Paquistão) e Kinshasa (República Democrática do Congo).

    A Fundação Thomson Reuters concedeu para Londres (Reino Unido) a primeira posição entre as melhores cidades para mulheres, seguida por Tóquio (Japão) e Paris (França). Em cada uma das 19 cidades da lista foram questionados 20 especialistas: professores de universidades, funcionários de organizações não governamentais, da assistência médica, políticos e bloggers. Os resultados tinham como a base a opinião de – no mínimo – 15 especialistas por país.

    E não eram especialistas quaisquer: "nossa lista foi elaborada a partir de uma base de dados de especialistas em direitos da mulher criada pela equipe da Fundação Thomson Reuters […] e por grupos-chave em cada cidade da sondagem", afirmou a organização. No total, 380 especialistas foram questionados, 355 responderam. 

    Mais:

    'Cura gay': decisão do Judiciário ataca direitos e estimula violência, diz especialista
    Tags:
    oportunidades, mulher, ranking, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar