08:13 21 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Sistema da defesa antimíssil THAAD

    Analista: sistemas de 'ataque global imediato' dos EUA criarão caos

    CC BY 2.0 / U.S. Missile Defense Agency / THAAD
    Rússia
    URL curta
    103377417

    O Pentágono iniciou a criação de sistemas de ataque global imediato, comunicou o Ministério da Defesa da Rússia. O especialista militar Andrei Koshkin, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, opinou que as ações dos EUA podem levar à transformação da situação geopolítica mundial.

    O Pentágono já tinha iniciado a criação de sistemas de ataque global imediato, afirmou o representante do Ministério da Defesa, Aleksandr Emelyanov, durante o briefing russo-chinês dedicado à defesa antimíssil realizado às margens do primeiro comitê da Assembleia Geral da ONU.

    "Realizando o conceito de uso conjunto de armas ofensivas e defensivas, o Pentágono iniciou a criação de sistemas de ataque global imediato prospectivos", disse ele.

    Emelyanov frisou que "na sua versão convencional estes sistemas visam atingir os mesmos objetivos que hoje são atribuídos às forças nucleares estratégicas".

    "A interligação dos planos de instalação de sistemas antimísseis com a criação de sistemas de ataque global imediato é evidente", afirmou Emelyanov.

    Ele adicionou também, que a "criação de sistemas de ataque global imediato é mais um fator que comprova as intenções de Washington de destruir o atual equilíbrio de poderes e assegurar a sua dominação estratégica global".

    O especialista em ciências políticas, professor Andrei Koshkin, acredita que Washington procura conseguir a superioridade de qualquer jeito.

    "O aumento da quantidade de sistemas de defesa antimíssil, que os EUA instalam em torno da Rússia e da China, é a intenção de obter a possibilidade de atacar via um ataque global. Além do mais, é preciso levar em conta que as capacidades de reconhecimento dos sistemas antimísseis permitem não apenas determinar a decolagem de um míssil, mas também destruir as ogivas. Nós temos cerca de mil ogivas nos mísseis intercontinentais e, caso os EUA instalem mil de seus sistemas de defesa antimíssil, isto não apenas vai neutralizar nosso potencial nuclear quanto aos mísseis intercontinentais, mas também criará um grande desajuste em todo o sistema de segurança", disse Andrei Koshkin em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik.

    Ele frisou que Moscou apelou repetidamente a que os EUA revisassem sua estratégia, contudo, os EUA e a OTAN continuam ampliando a instalação de sistemas antimíssil, e não apenas no território da Europa.

    "Já há muito tempo que a Rússia tem apelado aos EUA a partir de palcos internacionais, bem como à OTAN, exigindo suspender a instalação de sistemas antimísseis, já que eles não são defensivos, mas são elementos avançados de ataque. Outro argumento por parte da Rússia é que aqueles países que instalam no seu território sistemas antimísseis norte-americanos põem sua própria população em risco. Além disso, a Rússia levanta a questão da necessidade de pôr ordem na instalação descontrolada de sistemas antimísseis não apenas na parte europeia, mas também na região da Ásia-Pacífico", disse o especialista militar.

    De acordo com ele, as ações dos EUA põem em risco toda a segurança mundial.

    "Pode parecer à primeira vista que via sistemas antimíssil os EUA poderão instalar a ordem. Contudo, isto vai provocar uma transformação geopolítica e ameaça a segurança global. E no fim das contas, os próprios EUA vão sentir o efeito disso. Assim, tentando cercar a Rússia e a China com sistemas antimísseis, os EUA ameaçam a segurança de todo o mundo. Tudo isso vai levar ao caos", concluiu Andrei Koshkin.

    Mais:

    Ministério da Defesa russo: presença militar dos EUA no Báltico viola acordo OTAN-Rússia
    Rússia: EUA dão passo errado em 'jogo muito perigoso' ao se aproximar da Coreia do Norte
    Rússia exige que EUA expliquem sua 'cegueira seletiva' em relação a militantes na Síria
    Tags:
    tensão, caos, defesa antimísseis, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik