11:57 09 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    940
    Nos siga no

    A Rússia está preocupada com as declarações do presidente dos EUA, Donald Trump, que criticou repetidamente o acordo sobre o programa nuclear do Irã, oficialmente conhecido como Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA, na sigla em inglês), disse o ministro de Relações Exteriores russo Sergei Lavrov nesta quarta-feira.

    Trump e os republicanos no Congresso criticaram a JCPOA, classificado pelo presidente estadunidense como um dos piores acordos da história.

    O líder norte-americano não cumpriu com a promessa de se retirar unilateralmente do acordo, mas a administração está atualmente revendo se o levantamento de sanções contra o Irã é do interesse da segurança nacional dos EUA.

    "É especialmente alarmante que os Estados Unidos, através das palavras do presidente Trump, confirmem sua posição irreconciliável e critiquem fortemente o Plano Conjunto de Ação, que permitiu resolver o problema nuclear iraniano", disse Lavrov a repórteres.

    O ministro de Relações Exteriores russo acrescentou que a reunião do grupo P5 + 1, responsável pelo JCPOA, ocorreria à margem da Assembléia Geral da ONU.

    "A reunião seria dedicada à implementação do JCPOA. Nós nos guiaremos pelas avaliações profissionais da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) […] Defenderemos este documento, esse consenso, que foi aceito com o alívio de toda a comunidade internacional e realmente fortaleceu a estabilidade regional", disse Lavrov.

    Também em Washington, o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, disse que o acordo nuclear do Irã deve ser alterado ou os EUA não podem permanecer parte do pacto.

    Em uma entrevista na Fox News, ele disse que as chamadas cláusulas de pôr-do-sol, sob as quais algumas das restrições do acordo de 2015 sobre o programa nuclear do Irã expiram ao longo do tempo, eram particularmente preocupantes.

    "Se nós vamos ficar com o acordo do Irã, tem que haver mudanças. As disposições do acaso simplesmente não são um caminho sensato a seguir", disse Tillerson. "É simplesmente… empurrar com a barriga novamente para alguém no futuro ter que lidar com isso".

    O Irã e o grupo P5 + 1 (China, França, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos e Alemanha) assinaram o JCPOA para garantir a natureza pacífica do programa nuclear do Irã em 14 de julho de 2015.

    Sob este acordo, o Irã prometeu abster-se de desenvolver ou adquirir armas nucleares em troca do levantamento das sanções impostas contra o Irã. Uma resolução da ONU foi aprovada pouco depois, reafirmando o acordo nuclear.

    Mais:

    Presidente do Irã explicou por que Trump recorre ao Twitter
    'Não iremos recuar', alerta líder do Irã após EUA anunciarem ameaça ao acordo nuclear
    Na contramão das sanções dos EUA, China abre linha de crédito de US$ 10 bi para o Irã
    Tags:
    relações diplomáticas, diplomacia, acordo nuclear, JCPOA, Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Rex Tillerson, Donald Trump, Sergei Lavrov, Estados Unidos, Irã, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar