13:30 07 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    11161
    Nos siga no

    Os jornalistas da Sputnik são capazes de fazer coisas inesperadas por simples mortais. Pelo menos, é isso que implicam as declarações de três congressistas estadunidenses sobre a suposta intervenção da Rádio Sputnik na corrida presidencial americana de 2016.

    A histeria de "foi culpa dos russos" alcançou um novo patamar quando três membros da Câmara dos Representantes dos EUA escreveram uma carta aberta ao presidente da Comissão Federal de Comunicações (FCC, na sigla em inglês). No documento exigiam à emissora de Washington DC que desse um basta na programação transmitida pela Rádio Sputnik na frequência 105.5 FM.

    Mas qual seria a razão? Os três membros distinguidos do Congresso — Anna G. Eshoo, Michael F. Doyle y Frank Pallone Jr. — afirmam estar surpreendidos pelo fato de os russos "poderem utilizar as ondas do nosso país para minar nossa democracia".

    Evidentemente, tais declarações bastante ásperas requerem provas extraordinárias, sobretudo quando provêm dos funcionários públicos de tão alto nível. Os legisladores, por sua vez, referem-se às informações publicadas em 13 de setembro em um artigo do jornal The New York Times intitulado "RT, Sputnik e nova teoria de guerra da Rússia".

    Carta aberta dos membros da Câmara dos Representantes dos EUA ao presidente da Comissão Federal de Comunicações (página 1)
    © Sputnik / Site da Câmara dos Representantes dos EUA/Captura de tela
    Carta aberta dos membros da Câmara dos Representantes dos EUA ao presidente da Comissão Federal de Comunicações (página 1)
    Carta aberta dos membros da Câmara dos Representantes dos EUA ao presidente da Comissão Federal de Comunicações (página 2)
    © Sputnik / Site da Câmara dos Representantes dos EUA/Captura de tela
    Carta aberta dos membros da Câmara dos Representantes dos EUA ao presidente da Comissão Federal de Comunicações (página 2)

    Acusar a Rússia de levar a cabo sua própria campanha informativa, em muitas ocasiões contra os EUA e o Reino Unido, não é nada de novo. Mas se acreditamos que as mídias russas na verdade teriam conseguido impor Donald Trump à Casa Branca, então deveríamos aceitar que os canais CNN e MSNBC, edições The Washington Post e o próprio The New York Times, que abertamente apostaram na candidata democrata (leia seu artigo editorial "Hillary Clinton para presidente") simplesmente não podem fazer resistência à competência do RT e da Sputnik.

    Porém, desta vez em particular, os legisladores americanos superaram os limites de tempo e espaço em seu zelo de alarmismo.

    "Estamos escrevendo em resposta aos recentes relatos da imprensa preocupantes que uma rede de rádio financiada pelo governo russo pode ter utilizado as ondas estadunidenses para influir nas eleições presidenciais de 2016", diz-se na primeira linha do documento.

    Entretanto, há um pequeno pormenor… A Rádio Sputnik começou a emitir na frequência FM de Washington DC no dia 1º de julho de 2017, oito meses depois das eleições presidenciais nos EUA.

    A Sputnik tentou entrar em contato com os três representantes para esclarecer como a estação que começou a emitir meses depois das eleições de novembro poderia ter influenciado no resultado. Porém, os distinguidos membros da Câmara norte-americana não comentaram esse paradoxo interessante da consideração de Einstein.

    Mais:

    Moscou detém direito de retaliar investigação do FBI contra Sputnik
    Perseguindo Sputnik no território estadunidense, FBI segue lógica de 'xerifes do mundo'
    Editora-chefe da Sputnik: 'Liberdade de expressão foi morta pelos que a criaram'
    Tags:
    eleições presidenciais, intervenção externa, Rádio Sputnik, Congresso dos EUA, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar