09:05 24 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Vista da baía de Balaklava na cidade de Sevastopol

    Ex-presidente revela como a Ucrânia enganou a Crimeia em 1991

    © Sputnik/ Vladimir Sergeev
    Rússia
    URL curta
    3281676

    O ex-presidente da Ucrânia Leonid Kravchuk revelou a estratégia que Kiev usou em 1991 para tirar partido de Moscou e manter a soberania sobre a Crimeia.

    "O tempo todo nós estávamos tentando alcançar a responsabilidade solidária. Foi precisamente esta abordagem, relacionada com a responsabilidade solidária e o diálogo construtivo com a Rússia, que favoreceu o engano", disse o ex-líder ucraniano aos jornalistas da edição digital ucraniana Apostrof.

    O truque usado por Kravchuk se baseou nas promessas que foram dadas à Crimeia em 1991, segundo as quais as autoridades da península podiam assinar livremente acordos econômicos, sociais e políticos que desejassem com a Rússia.

    Na verdade, essas promessas não foram cumpridas. De acordo com Kravchuk, agora a Ucrânia está pagando caro por aquela astúcia.

    "Deveríamos ter dado mais direitos e liberdades [à Crimeia]. Não conseguimos compreendê-lo. Quando este caminho e esta política foram violados, surgiram muitos problemas econômicos e políticos", lamentou o ex-presidente ucraniano.

    Kravchuk destacou que a precária situação econômica na península em 2014 se agravou por causa do problema linguístico e religioso.

    "Se agravou de uma forma extrema. A causa do conflito foi a restrição das capacidades econômicas, sociais e de outro tipo da região. Queríamos governar para todos, como o tínhamos feito durante o bolchevismo. E esse desejo levou ao conflito", concluiu Kravchuk.

    Mais:

    Escudo do sul: Rússia instalará na Crimeia novíssimo radar de alta precisão
    Ucrânia ameaça Rússia com ação judicial pela construção da ponte da Crimeia
    'Barreiras da Ucrânia' contra Crimeia dificultam férias de seus cidadãos
    Tags:
    soberania, Leonid Kravchuk, Ucrânia, Crimeia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik