16:23 21 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Combatentes do Talibã (foto de arquivo)

    Rússia responde a acusações dos EUA de fornecer armas ao Talibã

    © AP Photo/ Allauddin Khan
    Rússia
    URL curta
    9157083

    Segundo Vladimir Dzhabarov, primeiro vice-presidente do Comitê de Assuntos Internacionais da Duma de Estado, o secretário de Estado, Rex Tillerson, ao acusar a Rússia de fornecer armamentos aos talibãs, tenta justificar as intenções dos EUA de aumentar o contingente de suas tropas nos Afeganistão.

    "Acredito que é uma cortina de fumaça para disfarçar o aumento do contingente norte-americano no Afeganistão. É uma justificação para eles não retirarem suas tropas, o que foi prometido [pelo presidente dos EUA Donald Trump] antes das eleições", afirmou Dzhabarov em entrevista ao canal de televisão russo RT.

    O deputado frisou que todos os contatos da Rússia com o Talibã (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) visam encontrar uma solução pacífica para o conflito, mas não se trata de fornecimento de armamento.

    "Ao contrário dos EUA, que criavam grupos permanentes de resistência a Assad, nunca fizemos nada de igual. Para a Rússia a paz no Afeganistão é muito importante, é por isso que mantemos contatos com os talibãs", sublinhou Dzhabarov.

    Anteriormente, o secretário de Estado culpou a Rússia de fornecer armamentos aos combatentes do Talibã, violando as normas internacionais. O Ministério das Relações Exteriores chamou essas acusações de infundadas e frisou que nem as autoridades afegãs, nem o comando dos contingentes dos EUA e da OTAN no Afeganistão forneceram provas de suas suposições.

    Mais:

    Nova estratégia dos EUA para o Afeganistão significa liberdade total das tropas?
    Força Aérea dos EUA pode intensificar operações no Afeganistão após decisão de Trump
    Opinião: nova estratégia dos EUA no Afeganistão põe Trump em situação embaraçosa
    Tags:
    acusações, Talibã, Rex Tillerson, Donald Trump, Vladimir Dzhabarov, Afeganistão, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik