11:10 20 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Um olho

    Produção de olhos biônicos está na lista de ambições da Rússia

    CC0 / Pixabay
    Rússia
    URL curta
    640

    A Rússia planeja começar a produzir seus próprios olhos biônicos, que atualmente são comprados de outros países, afirmou à Sputnik na terça-feira a vice-ministra da Saúde, Tatiana Yakovleva.

    Em 30 de junho, um paciente russo recebeu o transplante de um olho biônico — sistema de visão artificial. Vale destacar que essa se trata da primeira cirurgia de transplante de olho biônico na Rússia. A cirurgia em questão visa restabelecer a visão do paciente, introduzir novo método cirúrgico na Rússia e desenvolver novos métodos de recuperação.

    "Claro que olhos biônicos serão importados, mas custam muito. Precisamos iniciar nossa própria produção. Aliás, já temos planos neste setor", disse a vice-ministra.

    Na Rússia, a primeira operação de transplante de olho biônico custou cerca de 140 mil dólares (R$ 437,7 mil), comentou a ministra. Mas, segundo ela, a maior parte deste preço se deve aos olhos biônicos que são importados, e este problema precisa ser resolvido.

    Tatiana Yakovleva comentou que as cirurgias são feitas em pessoas que enxergavam bem no passado, mas depois perderam esta capacidade por razões diferentes. No entanto, no futuro, destacou, será possível transplantar tais olhos em pessoas que nasceram cegas.

    Os testes técnicos da nova tecnologia levarão de um a três anos, sendo depois incluída na lista de tratamentos médicos de alta tecnologia, especificou a vice-ministra, acrescentando que o Estado se responsabilizará pelos gastos.

    Próximo transplante deste tipo poderá ser levado a cabo já no outono do Hemisfério Norte, afirmou o presidente do Fundação russa de apoio aos cegos e surdos.

    Mais:

    China está elaborando supercomputador com capacidade igual a do cérebro humano
    Maior parte do DNA é lixo genético, afirma biologista
    Tags:
    novas tecnologias, transplante, cirurgia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik