12:05 25 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    5151
    Nos siga no

    Utilizados na crise envolvendo a Crimeia em 2014, os mísseis antinavio supersônicos 3M55 Oniks foram protagonistas de uma nova série de lançamentos realizados pela Rússia, informou o Ministério da Defesa do país, que divulgou um vídeo do exercício militar.

    Ainda de acordo com a pasta, o lançamento aconteceu no Pacífico e foi conduzido através do sistema de defesa costeira Bastion-P.

    Também foi relatado pelo ministério que o lançamento foi feito por uma unidade de defesa da Frota do Pacífico, e antes de lançar o míssil, a equipe avançou 200 quilômetros para realizar a sua missão em curso e de uma posição para qual não estava equipada para isso. O alvo do míssil se encontrava a cerca de 150 quilômetros da costa.

    Vale recordar que os sistemas Bastion, cada um dos quais consistindo de 12 lançadores e 24 mísseis, são capazes de defender 600 quilômetros da costa contra um possível desembarque inimigo.

    Em 2014, durante a crise na Ucrânia, os mesmos mísseis foram implantados na península da Crimeia. O sistema de controle Bastion incorpora um programa em que os primeiros alvos para destruir nos comboios inimigos são os navios de escolta, e só para então atacar o carro-chefe.

    Cada um dos mísseis opera estritamente contra o seu alvo programado. Especialistas dizem que nenhum navio do mundo terá tempo para se defender de um ataque desse tipo.

    Na última quarta-feira, a tripulação do submarino de ataque de propulsão nuclear Smolensk, a Frota do Norte, disparou um míssil cruzador pesado Granit no Mar de Barents.

    Mais:

    Rússia retaliará EUA se propriedades diplomáticas russas não forem liberadas
    Rússia constata cumprimento de obrigações iranianas sobre programa nuclear
    Opinião: instalação de sistemas Patriot na Lituânia é um sinal hostil para Rússia
    Tags:
    oniks, 3M55 Oniks, bastion-p, sistema antinavio, armamentos, Ministério da Defesa Russo, Pacífico, Crimeia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar