05:52 22 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Bombardeiros estratégicos Tu-95 da Força Aérea russa ensaiam a parada militar dedicada aos 70 anos da vitória na Segunda Guerra Mundial

    Mísseis russos privam EUA do monopólio sobre armas guiadas de longo alcance

    © Sputnik / Viktor Tolochko
    Rússia
    URL curta
    17130

    Bombardeiros estratégicos russos Tu-95MS atacaram as posições do Daesh na Síria com mísseis de cruzeiro Kh-101 a uma distância de cerca de mil quilômetros.

    Os analistas militares estão estimando que estes aviões possam ser equipados com um sistema especial que vai permitir corrigir o alvo já durante o voo.

    Os bombardeiros estratégicos da Força Aeroespacial russa Tu-95MS são capazes de alterar o alvo de seus mísseis de cruzeiro após o lançamento, estima a revista The National Interest acrescentando que é uma novidade importante.

    "Em 5 de julho, bombardeiros estratégicos russos Tu-95MS equipados com mísseis decolaram do aeródromo russo de Engels (cidade russa na área de Saratov), efetuaram um voo com reabastecimento aéreo e lançaram mísseis de cruzeiro Kh-101 contra objetivos do Daesh na fronteira entre as províncias de Hama e Homs", tinha recentemente anunciado o ministério russo da Defesa em comunicado.

    De acordo com um analista do jornal, os Tu-95MS russos podem ser dotados de um sistema de navegação SVP que permite à tripulação que altere os alvos dos mísseis durante o voo. Entretanto o número de aviões já dotados deste sistema não é conhecido.

    Segundo os especialistas, estes dispositivos serão instalados a bordo à medida que as aeronaves forem sendo modernizadas.

    Entretanto, o autor do artigo acrescenta que já ficou claro que as armas guiadas de longo alcance deste tipo já não são um monopólio dos EUA.


    Mais:

    Que motivos levaram a Rússia a disparar mísseis Kalibr na Síria?
    Rússia detectou o lançamento de 40 mísseis em todo o mundo durante 2016
    Tags:
    analista, defesa, equipamento, míssil, Bombardeiro, Tu-95MS, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar