22:46 24 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    1111
    Nos siga no

    Discursando na coletiva de imprensa em Pequim, o líder russo destacou que as disputas internas dos EUA afetam a situação política e econômica.

    "Em uma altura em que nos principais centros politicos e econômicos observamos um número crescente de incertezas, por exemplo, nos EUA vemos que a tensa luta política interna continua, isso cria um certo nervosismo não apenas na política, mas também na economia", disse o presidente russo.

    Comentando o último ataque cibernético que afetou todo o mundo, Vladimir Putin se mostrou surpreendido por a Rússia ser apontada.

    "No que diz respeito à fonte destas ameaças, parece-me que a chefia da Microsoft declarou claramente: a fonte inicial deste vírus são os serviços secretos dos EUA. A Rússia não tem nada a ver com isso", lembrou Putin.

    Ele sublinhou que a Rússia não sofreu danos significativos em resultado deste último ciberataque.

    Falando sobre a situação atual da Síria, o presidente da Rússia destacou a importância de estabilizar o regime de cessar-fogo no país árabe. Sem cessar-fogo não é possível atingir a regularização política na Síria, afirma o líder russo.

    Além disso, ele sublinhou que a Rússia tem direito de negociar com as unidades curdas, que também combatem o terrorismo, que mais não seja para evitar confrontos e situações que possam constituir ameaças para os militares russos.

    Estes contatos com as unidades curdas não pressupõem o fornecimento de armas, pois a Rússia, diferente dos EUA, não fornece armas aos curdos.

    O presidente russo Vladimir Putin chegou a Pequim para participar do fórum internacional "Um Cinturão e uma Rota", que se centra no projeto da China para o desenvolvimento e estreitamento de laços entre os países euroasiáticos.

    Mais:

    Putin comenta risco de aquisição da economia russa pela chinesa
    Virtuose: Putin toca piano na residência do Xi Jinping, em fórum na China (VÍDEO)
    Rota da seda: este, sim, é um negócio da China
    Tags:
    relações internacionais, crise síria, ataque cibernético, Síria, EUA, Rússia, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar