15:13 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    14331
    Nos siga no

    Os vãos em arco da Ponte da Crimeia, que atravessará o estreito de Kerch, serão instalados no outono de 2017 (primavera no hemisfério sul), ligando a costa da Crimeia à de Kuban, disse o ministro dos Transportes russo Maksim Sokolov.

    "Todos os trabalhos, não só a construção da Ponte da Crimeia, mas também a formação das vias de acesso próximas e distantes até à ponte, estão totalmente sincronizados uns com os outros", disse Sokolov citado pelo centro de informação da Ponte da Crimeia.

    O ministro realizou uma reunião nos locais de construção da ponte e também uma inspeção ao progresso da construção.

    Os vãos navegáveis da ponte rodoviária e ferroviária são montados no lado de Kerch. Os navios poderão passar através de um espaço com 185 metros de largura e de 35 metros de altura.

    Foi notado que a construção da ponte e das vias de acesso em ambas as margens do estreito de Kerch está sendo realizada de acordo com o calendário: os primeiros carros irão passar para a Crimeia no final de 2018, os primeiros trens – em 2019.

    Até 12 de maio, construtores já colocaram 306 pilares dos 595 previstos no projeto. Mais de quatro quilômetros da ponte já estão cobertos com os vãos. O território também foi limpo de explosivos dos tempos da Segunda Guerra Mundial, os trabalhos arqueológicos estão sendo concluídos.

    A ponte através do estreito de Kerch, que ligará a Crimeia e a região de Krasnodar, será a mais longa da Rússia – seu comprimento será de 19 km. O custo total do projeto equivale a R$ 12,6 milhões. O início de tráfego automóvel na ponte está previsto para dezembro de 2018.

    Mais:

    Diplomacia russa: 'Tribunal da ONU rejeitou acusações de Kiev sobre 'ocupação' da Crimeia'
    Kiev diz que Booking.com indica Crimeia como parte da Ucrânia
    Ucrânia constrói nova barragem para deixar Crimeia sem água
    Tags:
    construção, Ponte da Crimeia, Estreito de Kerch, Krasnodar, Crimeia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar