06:13 23 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Um complexo de defesa antiaérea do Exército Popular da Coreia é visto durante o desfile dos 105 anos de nascimento de Kim Jong-il

    Senadora russa: Resolução militar da questão coreana pode levar à catástrofe

    © Sputnik / Ilia Pitalev
    Rússia
    URL curta
    17104
    Nos siga no

    Resolução militar da questão em torno da Coreia do Norte pode levar à “catástrofe mundial” com a utilização de armas nucleares, acrescentou a chefe do Conselho da Federação da Rússia, Valentina Matvienko.

    "Deus nos livre que alguém escolha o caminho militar para resolver conflito ou que pensem em usar armas nucleares. Trata-se de catástrofe mundial não só para a Coreia do Sul e Japão, mas para outros países. Seria criado um sério precedente ao iniciar o curso dos acontecimentos responsáveis por consequências fortes", acrescentou ela à Sputnik. 

    Ela frisou a importância de que todas as partes do conflito "parem com a troca de ameaças" e regressem para a resolução diplomática do conflito. 

    "Declarações bélicas não contribuem para a busca de resoluções em torno da Coreia do Norte. Mesmo sendo difícil somente as negociações político-diplomáticas podem melhorar a situação, convencendo Coreia do Norte a cumprir as resoluções do Conselho de Segurança da ONU para que este governo atue como membro civilizado da comunidade internacional", frisou seu ponto de vista. 

    Na quarta-feira (26), EUA propuseram aumentar as sanções econômicas contra a Coreia do Norte em resposta a seus programas nuclear e balístico. Washington também não exclui a possibilidade de uma ação militar.

    Mais:

    Americanos acreditam que força militar será necessária para parar a Coreia do Norte
    Nada indica que EUA vão atacar a Coreia do Norte, diz senador McCain
    Tags:
    catástrofe, armas nucleares, tensão, resolução, ameaça, conflito, guerra, sanções, Conselho da Federação Russa, Valentina Matvienko, Coreia do Norte, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar