16:44 22 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    New performers at Alexandrov Dance and Song Company

    Quatro meses depois da tragédia, coral russo Aleksandrov se apresenta pela primeira vez

    © Sputnik / Iliya Pitalev
    Rússia
    URL curta
    881
    Nos siga no

    O famoso coral Aleksandrov das Forças Armadas russas se apresentou no Cemal Resit Rey Concert Hall, em Istambul, como parte de sua primeira turnê desde a morte de 64 membros do avião Tu-154, em dezembro.

    Apesar dos protestos nas redes sociais antes do show, que culpavam a Rússia e o governo sírio pelo suposto uso de armas químicas na Síria na terça-feira passada, o evento atraiu um grande público turco.

    O Coral apresentou melodias bem conhecidas em russo e em turco, homenageou os músicos que morreram no acidente de avião em dezembro e as vítimas do ataque terrorista no metrô de São Petersburgo.

    O concerto começou com a bem conhecida canção do Exército Soviético, Invencível e Legendário, famosa por ter sido executada no fim da guerra.

    Especialmente para o público da Turquia, o Coral apresentou alguns números no idioma local — a música de marcha otomana Ceddin Deden e a balada de Cankkale Turkusu, uma canção folclórica turca sobre a Batalha de Gallipoli, uma campanha da Primeira Guerra Mundial que teve lugar na península de Gallipoli (Gelibolu na Turquia moderna) no Império Otomano entre 25 de abril de 1915 e 9 de janeiro de 1916.

    O Coral está na Turquia dando seu primeiro show no exterior após o trágico acidente de avião em dezembro, que matou 92 pessoas, incluindo 64 músicos do Aleksandrov.

    O desempenho abre o calendário de concerto apertado para o grupo, que embarca em uma turnê europeia pouco tempo depois. Em 25 de dezembro, o avião Tu-154 do Ministério da Defesa da Rússia, a caminho de Moscou para a Síria, para fazer um show de férias para militares russos que ajudam na luta contra o terrorismo, caiu pouco depois do reabastecimento e decolagem da cidade sulista de Adler, Sochi.

    Entre as 92 pessoas a bordo estavam nove repórteres, a chefe da caridade Spravedlivaya Pomoshch (Fair Aid) Elizaveta Glinka, e dois funcionários federais. Nenhum deles sobreviveu ao acidente.

    Mais:

    Queda do avião Tu-154: piloto tentou fazer o avião aterrissar no mar
    Mídia russa: Tu-154 caiu por erro da tripulação
    Mídia: investigação descarta atentado terrorista ao Tu-154
    Ministério da Defesa russo desmente publicação sobre causas da queda do avião Tu-154
    Tags:
    Ceddin Deden, Cankkale Turkusu, Tu-154, Primeira Guerra Mundial, Segunda Guerra Mundial, Spravedlivaya Pomoshch, Império Otomano, Exército Soviético, Ministério da Defesa (Rússia), Elizaveta Glinka, Gelibolu, Idlib, Turquia, Síria, São Petersburgo, Moscou
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar