06:21 23 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Refugees stand at a camp in Latakia, Syria

    Moscou: 'Questões humanitárias sírias devem ser deixadas fora da agenda política'

    © REUTERS / Vladimir Isachenkov
    Rússia
    URL curta
    250
    Nos siga no

    A Rússia está advertiu contra a inclusão de questões humanitárias na agenda política síria com o objetivo de exercer pressão sobre o governo da Síria, disse o vice-ministro russo de Relações Exteriores, Gennady Gatilov.

    Falando aos jornalistas russos após uma conferência sobre a Síria em Bruxelas, Gatilov ressaltou que "não deve haver duplo padrão na prestação de ajuda humanitária [à Síria]" e advertiu contra o apoio à ideia de que a reconstrução só pode ser realizada na Síria após a restauração da paz e da estabilidade.

    O vice-ministro das Relações Exteriores russo destacou que a maioria da população síria reside em áreas sob o controle do governo, e não da oposição ou de regiões controladas por terroristas. Gatilov enfatizou que é prejudicial insistir que a ajuda só deve ser enviada para áreas que não estão sob o controle de Damasco.

    "Somos a favor que questões humanitárias que não sejam utilizadas na agenda política e para fins políticos, porque, infelizmente, esta tendência é vista por alguns de nossos colegas. Não deve haver necessidade de usar os problemas do povo sírio para exercer pressão sobre o governo sírio para determinados fins", disse Gatilov aos jornalistas, acrescentando que a tendência de "alguns dos nossos parceiros [de entender que a] ajuda ser fornecida apenas para áreas bloqueadas e difíceis de alcançar é prejudicial".

    O vice-ministro russo de Relações Exteriores também enfatizou que a Rússia não oferece menos apoio aos sírios do que outros atores internacionais.

    "Estamos realizando isso através de agências e organizações humanitárias internacionais, através do sistema das Nações Unidas e, claro, numa base bilateral, quase diariamente", enfatizou Gatilov.

    O Comissário Europeu para a Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, Christos Stylianides, anunciou na quarta-feira que a Conferência de Doadores para a Síria em Bruxelas levantou US $ 6 bilhões em ajuda financeira para o país do Oriente Médio para 2017.

    O comissário sublinhou que a ajuda humanitária não era uma solução para a crise síria e não uma alternativa ao processo de solução política que decorria sob os auspícios da ONU em Genebra. As negociações entre a Rússia, Turquia e Irã sobre o apoio ao cessar-fogo sírio também são uma importante plataforma para evitar o combate e, portanto, permitir o acesso humanitário, disse Stylianides.

    O Ministério da Defesa russo publica boletins diários do Centro para a Reconciliação na Síria russo informando de entregas regulares de ajuda humanitária russa para várias partes da Síria. Os aviões russos também têm ajudado com a distribuição de ajuda da ONU na Síria, particularmente na área de Deir ez-Zor.

    Mais:

    Exército da Síria: a responsabilidade pelo ataque químico é dos terroristas
    Pentágono expande base aérea no Norte da Síria para uso em batalha por Raqqa
    Tags:
    Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Conferência de Doadores para a Síria, Centro para a Reconciliação na Síria russo, Ministério da Defesa (Rússia), Nações Unidas, Christos Stylianides, Oriente Médio, Irã, Turquia, Deir ez-Zor, Rússia, Damasco, Síria, Bruxelas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar