01:50 20 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Sistema de defesa russo Pantsir S1

    Mídia registra enorme melhoria das capacidades antiaéreas e antimísseis da Rússia

    © AP Photo / Alexander Zemlianichenko
    Rússia
    URL curta
    11152

    A defesa antiaérea e antimíssil do país melhorou significativamente nos últimos anos, comunicou Dmitry Kiselev no programa de TV Vesti Nedeli (Notícias da Semana).

    No início dos anos 2000, a defesa antiaérea da Rússia tinha um caráter local.

    "Só estavam protegidas as estruturas economicamente importantes e as militares", acrescentou Kiselev. 

    Em 2015 a situação se alterou completamente em todas as áreas. 

    "No leste e no sul temos um campo de radiolocalização ininterrupto, compacto", acrescentou o apresentador do programa, adiantando que em dois anos a Rússia cobriu completamente o Norte e Leste do país com sistemas antiaéreos e antimísseis. 

    Nos últimos anos mais de 130 sistemas de mísseis sem análogos, como os Pantsir-C1 e os S-400, entraram no serviço.

    Desde 2012 as unidades de tropas radiotécnicas e antiaéreas quase dobraram. O número de efetivos do Sistema de Alerta da Defesa Antimíssil (MIDAS em inglês) também dobrou, o que permitiu após a integração da Crimeia cobrir todas as brechas dos sistemas de radares.  

    No que se toca à defesa marítima, o número de sistemas de mísseis aumentou em mais de 2 vezes no período de 2013 a 2017. Além disso, os caças hipersônicos MiG-31BM entraram ao serviço da aviação russa. 

    O reforço da defesa antiaérea russa ganha maior importância nas condições de deslocamento do sistema THAAD norte-americano no Pacífico que representa um risco sério para a Rússia.

    Mais:

    Seria China a primeira compradora dos mais novos sistemas antiaéreos russos S-400?
    Quem ganha com a venda de mísseis S-400 pela Rússia à Turquia?
    Tags:
    reforço, defesa, capacidade militar, melhoração, defesa antiaérea, defesa antimísseis, Pantsir, S-400, Dmitry Kiselev, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik