20:58 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    23236
    Nos siga no

    O primeiro-ministro da República da Crimeia Sergey Aksenov afirmou que os políticos europeus que apoiam o reconhecimento da península como parte da Rússia prevalecem sobre aqueles que se opõem.

    A crescente aceitação da Crimeia como parte da Rússia é evidente na Europa com o surgimento de novos políticos no continente, disse Aksenov.

    "A dinâmica é obviamente positiva… A situação está a mudar nos países europeus, penso que os políticos que insistem em que as sanções anti-russas devem ser levantadas e que a Crimeia deve ser reconhecida estão claramente a liderar. Isso está crescendo, mesmo quando a mídia não fornece uma visão objetiva e equilibrada do que está acontecendo na Rússia e na Crimeia. Há um bloqueio de informação", disse Aksenov durante entrevista para um canal de TV.

    O eventual reconhecimento internacional da Crimeia como parte russa é inevitável, acrescentou, sublinhando que não foram necessários mais procedimentos para comprovar a natureza democrática do referendo de 2014.

    "Não haverá re-execução do referendo, não há motivo para mantê-lo, não temos que provar nada a ninguém. Esta é minha firme convicção. Teoricamente, mesmo que acontecesse [uma nova votação], eu tenho certeza que haveria resultados ainda mais [a favor da reintegração com a Rússia]", afirmou o chefe regional.

    A Crimeia marcará o terceiro aniversário de reunião com a Rússia, uma medida que causou um impasse entre Putin e o Ocidente com a imposição de sanções anti-russas e a recusa em reconhecer o novo status da península do Mar Negro. A Rússia salientou que a adesão da Crimeia ocorreu democraticamente de acordo com as normas internacionais.

    O território voltou a ser russo no início de 2014, quando 96,77% dos eleitores crimeios e 95,6% dos cidadãos da capital Sevastopol votaram a favor da adesão à Rússia.

    Mais:

    Casa Branca: Donald Trump espera que Rússia devolva Crimeia para a Ucrânia
    Moscou sobre Crimeia: Rússia não pretende devolver seus territórios
    Moscou: proposta de alugar a Crimeia é absurda
    Cooperação com Teerã pode ajudar Moscou a alcançar reconhecimento da Crimeia
    Tags:
    Sergey Aksenov, Vladimir Putin, Sevastopol, Mar Negro, Crimeia, Europa, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar