04:55 20 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    Palmira novamente reconquistada (23)
    1783
    Nos siga no

    Por ocasião do dia das Forças de Operações Especiais do Exército Russo, a rede Zvezda publicou um vídeo com as operações de combate em vários países do Oriente Médio.

    Entre ruínas arquitetônicas e históricas, como o anfiteatro romano e uma fortaleza da época das cruzadas em Palmira, pode-se contemplar os soldados em ação.

    Da mesma forma, as táticas e métodos utilizados pelas unidades de forças de operações especiais da Rússia na Síria podem ser observados.

    Especialistas militares indicam que, no que diz respeito à área de Palmira, apenas aparecem 10 pessoas. Isso ocorre porque vários combatentes devem necessariamente permanecer no forte. Em outras palavras, o número de indivíduos no grupo dessas forças varia de 13 a 16 unidades.

    Dependendo da natureza da operação, as Forças de Operações Especiais Russas podem usar veículos blindados — conhecidos como Tiger (Tigre) —, que possuem lançadores de granadas automáticos, mísseis anti-tanque e morteiros guiados e veículos aéreos não tripulados como o Orlan, por exemplo.

    Como regra, os novos modelos de rifles Kalashnikov são equipados com silenciadores e são cuidadosamente camuflados, dependendo da paisagem na área de hostilidades.

    É fundamental que os combatentes estudem a língua e/ou os dialetos do lugar, neste caso o árabe e o neo-aramaico, antes de chegarem à localização do lado inimigo. De acordo com informações de diferentes meios de comunicação estrangeiros, a ação das Forças Especiais russas para destruir os terroristas em Aleppo e Palmira (Síria) foi bem-sucedida.

    Tema:
    Palmira novamente reconquistada (23)

    Mais:

    EUA e Rússia continuarão lutando juntos contra Daesh após alegado ataque equivocado
    Chancelaria: Rússia e Turquia não têm problemas de cooperação na Síria
    Tags:
    Rússia, Síria, Palmira, Aleppo, Forças de Operações Especiais Russas, Tiger, Rifles Kalashnikov
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar