11:20 19 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Trucks from the 11th Russian convoy that has delivered humanitarian aid to Donbas (Ukraine's southeastern regions) have returned to Russia

    Rússia enviará caminhões com 300 toneladas de ajuda humanitária para a Ucrânia

    © Sputnik / Sergei Pivovarov
    Rússia
    URL curta
    6150

    Um comboio humanitário de caminhões russos partirá na terça-feira para trazer ajuda de socorro essencial às províncias de Lugansk e Donetsk, no leste da Ucrânia, o segundo desde o início deste ano.

    O comboio de 25 caminhões levará cerca de 300 toneladas de carga, principalmente comida, disse um porta-voz do escritório russo de emergências na região sudoeste de Rostov, na fronteira com a Ucrânia.

    Os caminhões passarão por dois postos fronteiriços onde serão submetidos a controles alfandegários de acordo com as leis internacionais. Mais dois comboios irão para os territórios ucranianos afetados em 16 e 23 de Março.

    O conflito no leste da Ucrânia começou em abril de 2014 como uma contra-reação ao ao golpe Maidan em Kiev, que derrubou o presidente Viktor Yanukovych. Os residentes das regiões de Donetsk e Lugansk realizaram referendos de independência e proclamaram independência. Kiev tem, desde então, conduzido uma operação militar, encontrando resistência local.

    O esforço humanitário desta semana será o 61º desde que a Rússia começou a enviar ajuda humanitária à população no leste da Ucrânia em agosto de 2014. Ela forneceu até 67 mil toneladas de ajuda para salvar vidas desde que os conflitos irromperam na região entre milícias pró-independência e tropas leais ao governo em Kiev.

    Mais:

    Rússia: Leste da Ucrânia está à beira de catástrofe humanitária
    Escalada bélica: CS da ONU exige retorno imediato do cessar-fogo no leste da Ucrânia
    Putin, Merkel e Hollande discutem bombardeios de Kiev no leste da Ucrânia
    Tags:
    Maidan, Viktor Yanukovych, Kievsky, Rostov, Lugansk, Donetsk, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar