04:36 23 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    0 150
    Nos siga no

    A Rússia está agora modernizando seu arsenal nuclear para atingir o número permitido pelo Tratado de Redução de Armas Estratégicas, disse Franz Klintsevich, primeiro vice-presidente do Comitê de Defesa e Segurança do Conselho da Federação da Rússia.

    O Tratado foi assinado entre a Rússia e os Estados Unidos em 2010 e entrou em vigor em 2011. O documento limita o número de vetores nucleares estratégicos (mísseis) para 700 e o número de ogivas nucleares estratégicas para 1.550.

    "Eu gostaria de notar que, de acordo com o tratado, existe um limite de 1.550 ogivas nucleares para cada uma das partes. Mas os EUA ultrapassam esse limite, enquanto a Rússia ainda não o atingiu. Acredito que não é nenhum segredo que atualmente a Rússia está ajustando seu arsenal nuclear para atingir esses limites", disse Klintsevich à Sputnik.

    Anteriormente a Reuters havia informado que, durante a última conversa telefônica com o líder russo Vladimir Putin, Donald Trump chamou o Tratado de Redução de Armas Estratégicas "de acordo ruim para os EUA". A Casa Branca recusou comentar o assunto, dizendo que se tratou de uma conversa privada entre os líderes. 

    Mais tarde, o presidente norte-americano Donald Trump afirmou que quer aumentar o arsenal nuclear dos Estados Unidos para garantir que seja "o melhor de todos", afirmando que o país tem ficado para trás no quesito de armas atômicas.

    Por sua vez, Dmitry Peskov, porta-voz do Kremlin, declarou que, para continuar as negociações sobre o prolongamento do Tratado de Redução de Armas Estratégicas, é necessário atualizar as posições das partes.

    Mais:

    'Não haverá regateio': Rússia não vê relação entre desarmamento e cancelamento de sanções
    Novo conselheiro de segurança de Trump deseja militarização do país
    Especialista explica por que os EUA não ganhariam uma guerra nuclear contra a Rússia
    Tags:
    arsenal nuclear, Frans Klintsevich, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar