12:32 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Vitali Churkin, embajador ruso ante la ONU

    Representante russo na ONU: Se o Reino Unido quer consciência limpa, devolvam as Malvinas

    © AFP 2019 / Kena Betancur
    Rússia
    URL curta
    164735

    O representante permanente da Rússia na ONU, Vitali Churkin, respondeu ao seu homólogo britânico, Matthew Rycroft, e a norte-americana Nikki Haley, que reiterou suas acusações contra a Rússia por causa da crise na Ucrânia.

    Rycroft tinha acusado a Rússia por suas ações em Crimeia, que, em sua opinião, "desencadeou a crise no país".

    "Tudo começou com o golpe [em Kiev] apoiado em grande parte por forças externas", Churkin lembrou Rycroft.

    O representante russo também destacou a postura do próprio Reino Unido ao julgar o "retorno" de qualquer território.

    "Devolvam as Ilhas Falkland (Malvinas), devolvam Gibraltar, devolvam a parte anexada de Chipre, devolvam o arquipélago de Chagos no Oceano Índico, que se transformou em uma enorme base militar. Só então a sua consciência, talvez, estará um pouco mais limpa e vocês poderão começar julgar outras questões", disse Churkin.

    O representante russo na ONU também citou a Constituição dos Estados Unidos para responder às palavras de Nikki Haley, a embaixadora do país nas Nações Unidas sobre a composição da Crimeia para a Ucrânia. Na sua apresentação à ONU, Nikki Haley reiterou a posição comum de seu país, afirmando que "os Estados Unidos continuam condenando e pedindo o fim imediato da ocupação russa na Crimeia, a Crimeia é parte da Ucrânia".

    "Nesse sentido, vale lembrar que na Constituição dos EUA ressoam as palavras históricas "We the People" (Nós, o Povo). [A vontade do] povo da Crimeia foi claramente expressa no referendo", disse Churkin.

    A península da Crimeia se separou da Ucrânia e da Rússia depois de celebrar em março 2014, um referendo em que a esmagadora maioria dos eleitores (mais de 96%), aprovou esta opção. A consulta foi convocada na sequência da mudança violenta do poder na Ucrânia, um evento que Moscou classifica como "golpe".

    A Rússia tem afirmado repetidamente que a população de Crimeia votou sim, democraticamente e em plena conformidade com o direito internacional e da Carta das Nações Unidas, ao reagrupamento com a Federação Russa, um país que respeita e aceita esta decisão.

    Desde então, os EUA, a União Europeia e outros países ocidentais adotaram vários pacotes de sanções contra os cidadãos, empresas e setores inteiros da economia russa, que Moscou respondeu com a apreensão de algumas das suas exportações de alimentos.

    Mais:

    Crimeia pede ao Ocidente para impedir provocação de conflito fronteiriço por Kiev
    EUA nunca aceitarão a 'anexação' da Crimeia pela Rússia, diz a Ucrânia
    Tags:
    Constituição dos Estados Unidos, Carta das Nações Unidas, Nações Unidas, União Europeia, ONU, Vitali Churkin, Nikki Haley, Ilhas Falklands, Gibraltar, Crimeia, Kiev, Moscou, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar