11:01 23 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Operações de resgate no local do acidente do Tu-154, 27 de dezembro de 2016

    Mais 3 destroços incluindo motor e suporte do chassi encontrados no mar Negro

    © Sputnik / Nina Zotina
    Rússia
    URL curta
    Acidente aéreo do Tu-154 no mar Negro (31)
    210
    Nos siga no

    Mais três destroços do Tu-154, que caiu em 25 de dezembro no mar Negro, foram encontrados no mar Negro, informa o Ministério da Defesa da Rússia.

    Foi destacado que as operações de resgate no local do acidente aéreo se realizam sem reduzir o ritmo e intensidade. No local estão trabalhando 98 mergulhadores e 14 aparelhos submersíveis de grande profundidade.

    "Os aparelhos Seliger e o navio de resgate Epron encontraram mais três destroços do avião a 1600 e 4500 metros da costa. Entre eles estão o motor, suporte do chassi e elementos da fuselagem. Estão sendo realizados trabalhos para recuperá-los e transporta-los para a costa", se lê no comunicado do Ministério russo.

    Operações de resgate no mar Negro no local da queda do Tu-154
    Serviço de imprensa do Ministério das Emergências da Rússia
    Em 25 de dezembro um avião Tu-154 do Ministério da Defesa russo caiu no mar Negro, com 92 pessoas a bordo (84 passageiros e 8 membros da tripulação) depois de ter desaparecido dos radares 7 minutos após a decolagem. Entre os passageiros estava um grupo de músicos que planejava dar um concerto de Ano Novo na Síria para os militares russos e vários jornalistas dos principais canais de TV russos. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou formar uma Comissão Estatal para investigar a tragédia.

    Tema:
    Acidente aéreo do Tu-154 no mar Negro (31)

    Mais:

    Mergulhadores encontram cauda do Tu-154 no mar Negro
    Publicada imagem de satélite do local da queda do Tu-154 (foto)
    Vários mortos em acidente do Tu-154 tinham coletes salva-vidas
    Mergulhadores encontram fuselagem do Tu-154 no mar Negro
    Tags:
    acidente aéreo, Tu-154, mar Negro, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar