20:28 16 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Expedição do Parque Nacional do Árctico Russo

    Plataforma continental: reivindicações russas do Ártico não representam nenhum perigo

    © Sputnik/ Vera Kostamo
    Rússia
    URL curta
    241

    As mudanças climáticas intensificaram a rivalidade sobre o Polo Norte e as faixas circundantes de um território rico de recursos.

    Com cinco Estados árticos lutando pelo controle sobre os promissores domínios mais setentrionais, é a Rússia que está sendo categoricamente retratada como um risco à segurança com um apetite insaciável por territórios ricos em petróleo da plataforma continental.

    No entanto, a Rússia não é uma ameaça para os outros países do Ártico porque ela já é a potência dominante no oceano Ártico em virtude do seu longo litoral e da sua vasta atividade econômica, afirmou Ingemar Oldberg, investigadora associada do Instituto Sueco para os Assuntos Internacionais (UI), em seu artigo na revista de Utrikesmagasinet.

    De acordo com Oldberg, a presença da Rússia no Ártico já é a mais forte em termos de defesa. A Frota do Norte da Rússia, baseada na Península de Kola, está sendo aprimorada com submarinos nucleares estratégicos de topo e novas unidades especificamente adaptadas ao severo clima ártico. Além disso, novas bases permanentes estão sendo construídas, e as bases da era soviética estão sendo reativadas ao longo de toda a costa russa do Ártico, com 22.600 quilômetros de extensão, incluindo a Terra de Francisco José e as ilhas da Nova Sibéria.

    ​No entanto, a Rússia ganhou uma reputação de ser pacífica ao longo das décadas e predisposta para encontrar soluções diplomáticas para os conflitos na região. A Noruega e a Rússia têm cooperado nas quotas de pesca no mar de Barents desde os anos 70, o que resultou em estoques estáveis. Um novo acordo foi assinado em outubro de 2016. Em 2010, após décadas de negociação, foi assinado o acordo histórico sobre a divisão do Mar de Barents e a cooperação energética. As partes têm interesses comuns no sector da energia devido aos depósitos transfronteiriços e à necessidade de cooperação no desenvolvimento da tecnologia de águas profundas.

    Além disso, a Rússia gostaria de beneficiar da cooperação internacional para manutenção da Rota Marítima do Norte, promovendo a navegação comercial e tornando a rota mais atraente para o tráfego de e para Ásia Oriental. Em particular, a China mostrou um grande interesse em investimentos e transportes na região.

    Nos últimos anos, as relações entre a Rússia e seus vizinhos do Ártico foram dificultadas pelas sanções ocidentais. Por exemplo, a Noruega, um Estado membro da OTAN, que se juntou entusiasticamente à UE e aos EUA na pressão política e econômica sobre a Rússia, sofreu com as contrassanções: as exportações norueguesas de alimentos para a Rússia caíram mais de 70% em 2015. Em vez disso, as Ilhas Faroé, que fazem parte do Reino da Dinamarca, mas que gozam de um estatuto especial na UE, aumentaram consideravelmente as exportações para a Rússia devido à não participação na política de sanções.

    ​Apesar da crescente tensão, a Rússia continuou cooperando com o Ocidente em organizações do Ártico não relacionadas com assuntos militares. No outono de 2015, a Rússia presidiu ao Conselho Euro-Ártico de Barents (BEAC) por dois anos, anunciando como suas principais prioridades a confiança, segurança, transparência e abertura. Através do BEAC, alguns dos contatos com os países nórdicos foram preservados, o que resultou em contínua cooperação econômica e ambiental, apesar da frieza nas relações mútuas.

    Mais importante ainda é a cooperação no âmbito do Conselho do Ártico que, além dos países nórdicos e de uma série de observadores, inclui também os EUA e o Canadá. Em 2011, foi assinado um marcante acordo vinculativo de cooperação em busca e salvamento, bem como a eliminação conjunta de derramamentos de petróleo. Apesar dos diferentes pontos de vista sobre a reunificação da Crimeia com a Rússia, a cooperação continuou quando o Canadá e os EUA mantiveram a presidência da organização; isso colocou um foco especial no ambiente e na pesquisa, e a Rússia contribuiu com fundos para projetos.

    Ao contrário, digamos, dos EUA, a Rússia ratificou a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (UNCLOS). A Rússia fez sua primeira candidatura para reivindicar 1,2 milhões de quilômetros quadrados já em 2001, afirmando que a cordilheira Lomonosov e o cume Mendeleiev são continuação da plataforma continental da Sibéria. Em 2015, a reivindicação russa foi suportada por testes sísmicos, exames do solo e outros dados científicos. O problema é que a Dinamarca e o Canadá também apresentaram reivindicações que se sobrepõem à da Rússia. Considerando que a Comissão de Limites da Plataforma Continental (CLCS) apenas decide sobre o alargamento das plataformas continentais, as reivindicações conflitantes devem ser resolvidas pelos próprios países rivais.

    Mais:

    Almirante compara infraestrutura russa no Ártico com tecnologia lunar
    Rússia colocará radar militar gigante no Ártico
    Almirante americano diz que atividades russas no Ártico são defensivas
    Tags:
    sanções, mar, rota marítima, petróleo, Nações Unidas, União Europeia, UE, OTAN, Canadá, EUA, China, Ásia Oriental, Noruega, Mar de Barents, Ilhas da Nova Sibéria, Península de Kola, Polo Norte, Ártico, Dinamarca, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik