22:19 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Ministério das Relações Exteriores da Rússia

    Rússia saúda plano dos EUA de eliminar líderes da Frente al-Nusra, caso se confirme

    © AFP 2019 / JOEL SAGET
    Rússia
    URL curta
    332
    Nos siga no

    O vice-chanceler russo Sergei Ryabkov informou na sexta-feira (11) que a possível instrução dos EUA de eliminar os principais líderes do grupo terrorista Frente al-Nusra é uma boa notícia, caso seja confirmada oficialmente.

    "De fato, se estamos falando dessa decisão, ela só pode ser saudada", informou Ryabkov aos jornalistas.

    Porém, o diplomata russo especificou que ainda não recebeu a confirmação oficial das informações publicadas pela mídia.

    Antes, o jornal The Washington Post, citando oficiais dos EUA, tinha informado que o presidente dos EUA Barack Obama ordenou ao Pentágono encontrar e eliminar os líderes do grupo terrorista ligado à Al-Qaeda na Síria. Segundo a edição, a ordem de Obama é um sinal de que Washington pretende, em primeiro lugar, vencer o terrorismo na Síria, ao invés de tentar derrubar o presidente sírio Bashar Assad.

    Na quinta-feira (10) o Escritório de Controle de Ativos Estrangeiros (OFAC) do Departamento do Tesouro dos EUA adicionou à lista de sanções quatro indivíduos ligados à Frente al-Nusra (cidadãos da Síria, Arábia Saudita, Jordânia e Macedônia), além de introduzir emendas a essa lista.

    O grupo terrorista Frente al-Nusra foi fundada em janeiro de 2012. Em junho de 2016, a organização anunciou a ruptura da aliança com a Al-Qaeda e passou a se chamar Frente Fatah al-Sham.

    Mais:

    Exército sírio elimina quase todos os jihadistas da Frente al-Nusra no sul de Daraa
    Regime de Obama poderá entrar para história como fundador da Frente al-Nusra?
    Tags:
    ordem, confirmação, grupo terrorista, líderes, Pentágono, Al-Qaeda, Frente Fatah al-Sham, Frente al-Nusra, Departamento do Tesouro, Ministério das Relações Exteriores, Barack Obama, Sergei Ryabkov, Síria, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar