15:14 19 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Encontro dos líderes do Quarteto da Normandia em Berlim, Alemanha, 19 de outubro de 2016

    'Ocidente usa temas da Ucrânia e Síria para demonizar Rússia'

    © Sputnik / Mikhail Klimentyev
    Rússia
    URL curta
    1221

    O Ocidente tenta usar os temas da Ucrânia e da Síria para demonizar a imagem da Rússia no mundo e exercer pressão política, disse o vice-presidente do Comitê para Assuntos Internacionais da Duma de Estado (câmara baixa do parlamento russo), Dmitry Novikov, comentado os resultados da reunião do Quarteto da Normandia.

    "A reunião do 'Quarteto da Normandia' mostrou mais uma vez que, em relação a ambos os assuntos, urgentes para a política externa russa de hoje, o Ocidente tenta usar tudo para demonizar a imagem da Rússia, para exercer pressão política sobre o nosso país. Parece que esse foi o aspecto principal do passado encontro", disse Novikov à agência russa RIA Novosti.

    Pyotr Poroshenko, presidente da Ucrânia (foto de arquivo)
    © Foto : Serviço de imprensa do presidente da Ucrânia
    Segundo o deputado, é preciso percorrer um longo caminho para normalizar a situação na Ucrânia. "Isso significa que é preciso manter o diálogo mesmo quando este decorre de forma difícil. Entretanto, o caminho de esforços diplomáticos é melhor que o caminho de ações militares", concluiu.

    Na quarta-feira (19), em Berlim realizou-se mais uma reunião dos chefes de Estado do Quarteto de Normandia (Rússia, Alemanha, Ucrânia e França). Os líderes dos quatro países, Vladimir Putin, Angela Merkel, Pyotr Poroshenko e François Hollande, discutiram a situação no Leste da Ucrânia durante cinco horas. Depois da cúpula, Putin, Merkel e Hollande realizaram um encontro dedicado à Síria.

    Mais:

    Merkel: Rússia carrega a responsabilidade pelo processo político na Síria
    Hollande: está acontecendo um crime de guerra em Aleppo
    Tags:
    assuntos, pressão, reunião, Quarteto da Normandia, Síria, Ocidente, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar