05:47 18 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Ministério das Relações Exteriores da Rússia

    Moscou expressa preocupação com entrega de armas letais à Ucrânia

    © AFP 2017/ ALEXANDER NEMENOV
    Rússia
    URL curta
    13109791

    A possibilidade de fornecimento de armas letais à Ucrânia viola as obrigações internacionais dos EUA, declarou à agência RIA Novosti o chefe do departamento para assuntos de não proliferação e controle de armamentos da chancelaria russa, Mikhail Ulyanov.

    Ontem, a Câmara dos Representantes do congresso norte-americano aprovou o projeto de lei "da estabilidade e democracia na Ucrânia", que pressupõe o reforço das sanções antirrussas e permite fornecer à Ucrânia armas letais.

    De acordo com Ulyanov, isto não pode deixar de causar preocupações "porque não é possível combinar o trabalho para a recuperação de uma paz sólida com entregas de armas letais".

    Ele explicou que há restrições internacionais no quadro da OSCE, há o documento sobre fornecimento de armas de 1994, bem como o acordo de 2014 sobre armas leves e de uso pessoal, que pressupõem a necessidade de se abster das entregas de armas letais a zonas de conflito.

    Ulyanov também sublinhou que "há o Acordo de Wassenaar na área do controle de exportações, há o acordo internacional de controle de armas, a que nós não nos juntámos e que os americanos assinaram, mas, parece que não têm intenção de ratificá-lo".

    O representante da chancelaria da Rússia assinalou que neste acordo há uma cláusula sobre a necessidade de evitar a acumulação de elementos desestabilizadores nas zonas de conflito, o que significa que os EUA têm planos que estão em contradição com os interesses em regular a situação na Ucrânia.

    Mais:

    Ucrânia espera armas letais dos EUA caso Clinton seja eleita
    Kiev espera receber armas letais dos Estados Unidos depois das eleições
    EUA cancelam embargo ao fornecimento de armas letais ao Vietnã
    Tags:
    armas letais, EUA, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik