19:39 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Drone Granat Va-1200 com o fuzil-metralhadora Kedr na exposição Dia de inovações do Ministério da Defesa da Rússia 2015, região de Moscou, Rússia (foto de arquivo)

    Drones russos são capazes de voar em colônias

    © Sputnik / Evgeny Biyatov
    Rússia
    URL curta
    0 121
    Nos siga no

    Drones militares russos providos de Inteligência artificial podem agir em conjunto para detectar e destruir alvos mais efetivamente.

    Voos demonstrativos de drones perto de Moscou
    © Sputnik / Iliya Pitalev
    Predadores da noite no céu russo? Isto não é ficção cientifica, mas sim um novo projeto do ministério russo da Defesa. Segundo o ministério, drones foram programados para voar em grupos e atacar alvos terrestres e aéreos em autonomia plena. 

    Os robôs podem também executar missões de patrulha, realizar tarefas de combate e atacar a defesa aérea do inimigo. 

    Equipados com meios da inteligência artificial, os drones serão capazes de formar colônias no céu. Cada grupo pode ser formado por seis aparelhos. Segundo o chefe da empresa Setetsentricheskie Platformy (Plataformas Centradas em Redes), isto se tornou possível graças o testes do novo programa realizados por militares russos. 

    E como isso funciona? Tudo é bastante simples. É preciso ter somente uma pessoa para monitorar o grupo de drones, enviando sinais para eles a partir do centro de coordenação. 

    Assim que o centro recebe os sinais dos drones, eles são transformados em uma série de algoritmos pelo centro de coordenação. Drones mecanizados são capazes de interceptar aviões, helicópteros, misseis inimigos, drones e outros alvos que se deslocam rapidamente. 

    Mais:

    Drone que entrou no espaço aéreo de Israel pertencia à Rússia
    Estado Maior: nenhum drone da Rússia foi derrubado pela Turquia
    Tags:
    coordenação, militares russos, inteligência artificial, desenvolvimento, capacidade militar, autonomia, não tripulado, drone, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar