08:19 15 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Avião de transporte An-124-100 Ruslan na Parada da Vitória em Moscou, Rússia, 9 de maio de 2016

    Kiev quer proibir Rússia de usar aviões Antonov em voos internacionais

    © Sputnik/ Anton Denisov
    Rússia
    URL curta
    51325

    Kiev tenciona conseguir aprovar a proibição de voos internacionais dos aviões Antonov que são usados na Rússia. Isso acontecerá se a Rússia se recusar a manutenção técnica das aeronaves na Ucrânia, disse o presidente da empresa Antonov, Aleksandr Kotsyuba.

    Antes, a mídia informou que a manutenção técnica do avião de transportes An-124 Ruslan podia ser realizada pelo centro Ilyushin.

    "As empresas que utilizam [aeronaves] Antonov na Rússia estão fazendo tentativas para deixar de usar serviços da Antonov como fabricante e passar esta função para empresas russas. Neste caso se trata da empesa Ilyushin", disse o presidente da Antonov em entrevista coletiva.

    "Podem corrigir essas regras e leis dentro do país como quiserem. Mas nós como fabricante temos o direito de proibir os voos de seus aviões fora da Rússia", acrescentou.

    Kotsyuba destacou que a Antonov exerce as suas funções de manutenção dos aviões.

    "Com certeza que vamos impor [a proibição de voos internacionais], porque isso é o prestígio da empresa, se trata dos nossos aviões que foram fabricados aqui e se alguém realizar a sua manutenção técnica, além da Antonov, não conseguiremos garantir a segurança desses voos", disse.

    Os aviões da Antonov mais famosos são o An-2, o avião de passageiros An-24, o avião de carga pesado An-124 Ruslan e o maior avião do mundo An-225 Mriya.

    A Rússia utiliza aviões da empresa para transporte de passageiros, bem como de cargas.

    Mais:

    Possível compra de aviões americanos causa polêmica na Argentina
    Defesa antiaérea russa e F-35 dos EUA: quem vence quem e quando?
    Melhores aviões russos – do século XX aos dias atuais
    Tags:
    fabricante, ultimato, aviões, proibição, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik