23:53 03 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    17282
    Nos siga no

    Enquanto o Ocidente observa, sem prestar assistência, a situação na Síria, Rússia assumiu a posição de país, que sem sua influência, não seria possível encontrar uma solução para o conflito.

    Moscou quer um diálogo de igualdade com Washington e procura recuperar o status de superpotência, por isso, a capital russa segue construindo relações com os países do Oriente Médio, escreve o jornal alemão Die Welt.

    De acordo com a edição alemã, com relação à presença de Moscou na Síria, a Rússia tem três objetivos. Em primeiro lugar, evitar o colapso do regime sírio, protegendo interesses da Rússia na região. O segundo é combater islamitas. Além disso, de acordo com jornalistas, a Rússia está tentando recuperar o direito de voto a nível internacional e regional.

    Neste caso, ao contrário da União Soviética, a Rússia está apostando no pragmatismo e não na ideologia, acrescenta Die Welt. Moscou mostra-se flexível à solução do conflito.

    No ano passado, quando a Turquia abateu o Su-24 russo, houve uma ameaça de confronto militar aberto entre os dois países. No entanto, hoje é possível observar uma reação muito moderada da Rússia na operação militar turca na Síria, segundo a publicação.

    Além disso, a Rússia está interessada na garantia de boas relações estratégicas com o Irã, disse o jornal. Moscou busca parceria econômica, mas no momento atual, as relações amigáveis com Teerã vêm beneficiando somente a indústria militar russa. Em particular, a Rússia forneceu ao Irã sistemas de defesa aérea S-300, que devem proteger as instalações nucleares iranianas.

    Mais:

    Rússia e Turquia discutem possibilidade de usar moedas nacionais no comércio bilateral
    'Se a Rússia se prepara para a guerra isso não significa que quer começar uma'
    Rússia expressa preocupação com operação militar turca na Síria
    Tags:
    geopolítica, poder, superpotência, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar