14:47 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    A russa Yelena Isinbayeva, duas vezes campeã olímpica e três vezes campeã mundial no salto com vara

    Apesar de integrar o COI, Isinbayeva quer ficar na Rússia

    © AP Photo / Alexander Zemlianichenko
    Rússia
    URL curta
    160

    A russa Yelena Isinbayeva, duas vezes campeã olímpica e três vezes campeã mundial no salto com vara, disse que não vai deixar a Rússia e ligará o seu futuro trabalho ao atletismo, relata R-Sport.

    "Sem dúvida que fico na Rússia. Eu me tornei membro do COI, o que prevê certas obrigações, como se sabe", disse Isinbayeva.

    Yelena Isinbayeva
    © Sputnik / Alexei Filippov
    A esportista russa anunciou na sexta-feira (19 de agosto) o fim da sua carreira aos 34 anos de idade. Ela já bateu 28 vezes o recorde do salto com vara (em provas indoor e outdoor). Na última quinta-feira (19) ela foi anunciada como a mais nova integrante da comissão de atletas do Comitê Olímpico Internacional (COI), recebendo 1365 votos. O seu mandato na comissão é de 8 anos.

    Isinbayeva é bicampeã olímpica e atual recordista mundial com a marca de 5,06 metros, obtida em 28 de agosto de 2009 em Zurique, seu décimo-sexto recorde mundial outdoor na prova.

    Ela prometeu não permitir injustiças em relação à Rússia durante o seu mandato.

    A equipe de atletismo russa foi toda excluída dos Jogos Olímpicos, pois a Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) excluiu toda a delegação do atletismo russo por conta do escândalo do doping. Foi informado que apenas a saltadora Darya Klishina recebeu uma autorização individual para competir no Rio de Janeiro.

    Mais:

    Medalhistas de ouro russas e Isinbayeva cantam Hino da Rússia no Rio de Janeiro
    Zhukov: escolha de Isinbayeva para comissão do COI é uma resposta à IAAF
    Isinbayeva conta por que foi proibida de participar dos Jogos Rio-2016
    Tags:
    mandato, doping, atletismo, IAAF, COI, Yelena Isinbayeva, Mundo, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar