00:15 24 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Russian Paralympics Committee President Vladimir Lukin. (File)

    Rússia apela à Justiça suíça para reverter banimento de atletas paralímpicos no Rio

    © Sputnik/ Vladimir Pesnya
    Rússia
    URL curta
    0 21340

    A Rússia recorreu ao Supremo Tribunal Federal da Suíça sobre a decisão do Tribunal Arbitral do Esporte (CAS) de rejeitar um recurso que teria permitido aos atletas russos competir nos Jogos Paralímpicos Rio 2016.

    "Apelamos para a justiça suíça (sobre a decisão do CAS)", afirmou o chefe do Comitê Paralímpico russo, Vladimir Lukin, à agência de notícias russa nesta sexta-feira (26), sem dar mais detalhes.

    Lukin acrescentou, entretanto, que pelo menos 266 atletas paralímpicos abririam processos individuais no Tribunal Europeu para os Direitos Humanos.

    Na semana passada, a Rússia recorreu de decisão do Comitê Paralímpico Internacional de suspender o país dos jogos deste ano devido aos escândalos de doping no país.  

    Após o CAS, sediado em Lausanne, ter anunciado a rejeição do recurso do Comitê Paralímpico da Rússia na terça-feira (23), o ministro russo dos Esportes, Vitaly Mutko, condenou o que chamou de uma decisão "política".

    O presidente russo Vladimir Putin, por sua vez, disse que a decisão foi "ilegal, amoral e desumana".

    Mais:

    'Punição coletiva é um problema, pessoas foram injustiçadas' – atleta paralímpico francês
    Brasil terá o maior time Paralímpico da história e participando de todas as modalidades
    Rússia diz que exclusão de atletas paralímpicos é desumana
    Papa recebe atletas paralímpicos brasileiros em Roma e deseja sucesso nos Jogos Rio 2016
    Esportistas russos não participarão dos Jogos Paralímpicos-2016 no Rio
    Bielorrússia vai desfilar com bandeiras russas na abertura de Paralímpicos
    Tags:
    atletas russos, Jogos Paralímpicos, Rio 2016, Comitê Paralímpico Internacional, Tribunal Arbitral do Esporte, Vladimir Lukin, Vladimir Putin, Rio, Suíça, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik