13:51 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Forças Armadas da Ucrânia

    Ucrânia posiciona pesados armamentos na fronteira com a Rússia

    © Sputnik / Taras Litvinenko
    Rússia
    URL curta
    371224

    O chefe do Serviço de Fronteiras da Ucrânia, Viktor Nazarenko, informou neste sábado (13), em entrevista à imprensa russa, que Kiev enviou pesados equipamentos de guerra para a fronteira com a Crimeia, após o incidente envolvendo a prisão de um grupo ligado ao Ministério da Defesa da Ucrânia que pretendia promover atentados na península russa.

    “Após uma recente reunião, realizada sob liderança do Presidente da Ucrânia, nós definimos os objetivos das nossas divisões, definimos o procedimento de cooperação com as Forças Armadas da Ucrânia e com outros órgãos de segurança, já que somo parte do sistema geral de defesa nacional. Convocamos as reservas, incluindo pesados armamentos e continuamos esse trabalho” – disse Nazarenko. 

    “Nós também promovemos uma série de atividades voltadas a melhorar a prontidão de combate naquela direção [da Crimeia], tanto junto à população local, como com os nossos agentes” – acrescentou o dirigente ucraniano.

    Além disso, ele destacou que os guardas de fronteira da Ucrânia "estão prontos para qualquer desenrolar dos fatos, que podem ser totalmente inesperados”.

    Na quarta-feria, o Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB) informou ter interceptado ataques terroristas, organizados pelo ministério da Defesa da Ucrânia, que visavam atingir infraestrutura na Crimeia. FSB conseguiu liquidar uma rede de agente do serviço de inteligência do ministério da defesa da Ucrânia e deteve cidadãos ucranianos e russos envolvidos em atividades terroristas. Agentes russos morreram durante as operações.

    A Crimeia voltou a fazer parte da Rússia após um referendo realizado na sequência de um golpe de Estado na Ucrânia, e em que mais de 96% dos habitantes da península apoiaram a reintegração.

    Tags:
    armamentos, Crimeia, Rússia, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik